Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
e-book

A casca do tempo (Cód: 9729679)

Andrade, Abrahão Costa

Semadar (Livros Digitais)

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 10,90 R$ 7,63 (-30%)
Cartão Saraiva R$ 7,63

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


A casca do tempo

R$7,63

Descrição

Os poemas de Andrade são 'casca' da vida e produzem catharsis - efeito purgativo que eliminam os 'humores' tóxicos da vida. Os temas e motivos invadem na poética de Andrade e nos invadem, também, a nós, seus leitores. Em sua poesia não há confecção intelectual que possa vir de um filósofo intelectual que é. Fica para você leitor apreciá-lo.Cronos (hora, dia, vida, daí cronologia) traz dor física e psíquica: 'tempo tuas horas são agulhas cacos de vidro', poema Agulha; e 'As horas são sinos mudos', poema XIII. O tempo sequencial, kairós (o momento oportuno, indeterminado no tempo), tempo que nunca se recupera, em Andrade, está presente no poema 'Tempo& desaforo', quando o eu lírico afirma que o tempo é quase nada 'fiapo de nuvem', na construção do poema 'jardim das palavras', 'é um pastar de nuvens'. Tempo é vida e morte e vice versa. Por isso, no poema 'Cotidiano', o sujeito lírico explica 'Viver é estar em conflito. Paz só na morte'. E em 27/05/2013, faz uma elegia a Lucas e nela dá uma esperança de que a vida continue em nossa recordação: '[...] Vive Luquinha em cada um de nós./ E cada um de nós está morto um pouco/ no desabar do corpo do menino.'

Características

Peso 0.00 Kg
Produto sob encomenda Sim
Marca Semadar (Livros Digitais)
Número de Páginas 60 (aproximado)
Idioma 333
Acabamento e-book
Formato Livro Digital Epub
Gratuito Não
Proteção Drm Sim
Coleção / Série Poéticas da Agoridade
Tamanho do Arquivo 420275
Código do Formato Epub
VOLUME 2
Cód. Barras 9788593447105
Ano da Publicação 2017
AutorAndrade, Abrahão Costa