Artboard 33atençãoArtboard 18atualizarconectividadeArtboard 42boletocarrinhocartãoArtboard 45cartão SaraivacelularArtboard 42Artboard 23checkArtboard 28Artboard 17?compararcompartilharcompartilhar ativoArtboard 28Artboard 43Artboard 49Artboard 47Artboard 15Artboard 32ebookArtboard 22Artboard 5Artboard 25Artboard 1Artboard 42Artboard 11fecharfilmesArtboard 23gamesArtboard 4Artboard 9Artboard 6hqimportadosinformáticaArtboard 7Artboard 3Artboard 12Artboard 25Artboard 34Artboard 43Artboard 44curtirArtboard 24Artboard 13livrosArtboard 24Artboard 31menumúsicaArtboard 27Artboard 30Artboard 36Artboard 44outrospapelariaArtboard 17Artboard 6Artboard 27Artboard 30Artboard 29Artboard 26Artboard 2Artboard 20Artboard 35estrelaestrela ativorelógiobuscaArtboard 50Artboard 26toda saraivaArtboard 40Artboard 21Artboard 10Artboard 37usuárioArtboard 46Artboard 33Artboard 8seta

A Cultura Pela Cidade (Cód: 2630163)

Coelho,Teixeira

Iluminuras

Vendido e entregue por Saraiva

Este produto está temporariamente indisponível no site, mas não se preocupe, você pode reservá-lo para retirada em uma loja física!

Reserve seu produto na loja para retirada em até 1 hora.
Ops! Este produto está temporariamente indisponível. Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.
Ops! Este produto está temporariamente indisponível. Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 45,00

em até 1x de R$ 45,00 sem juros
Cartão Saraiva: 1x de R$ 42,75 (-5%)

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 1x sem juros de


A Cultura Pela Cidade

R$45,00

Descrição

Nos agitados e esperançosos anos 60, Henri Lefebvre publicou um livro que seguia as linhas do novo pensamento sobre o modo de ver o homem e seu mundo: O direito à cidade, que teve o prazer de introduzir na cena brasileira. À época não havia ainda uma clara consciência dos direitos culturais – por muitos então considerados supérfluos, mero desvio das “verdadeiras questões” – embora o tema já aparecesse nos documentos internacionais. Foi preciso esperar pelo final dos anos 70 para que uma segunda declaração da UNESCO sobre o assunto lhes desse visibilidade sensível e mais uma década passaria antes que a questão começasse a circular abertamente pelos seminários, conferências, simpósios, acordos. Hoje início do século XXI, os direitos culturais estão na parte mais evidente da mesa da sociedade e dos políticos e não mais apenas na dos intelectuais e ativistas. A cultura retoma o lugar que é seu.

E pode dar à idéia do direito à cidade uma outra dimensão. A cidade é hoje vista, em amplas porções do mundo, mais como uma inevitabilidade do que um lugar de escolha onde o ser humano pode desenvolver suas potencialidades. A cidade já foi uma aglomeração orgânica, relativamente ocasional; depois, uma questão de urbanismo e arquitetura; agora, está claro que se não for uma questão de cultura, no sentido mais amplo, não será nada. O direito à cidade se traduz, hoje, em direitos culturais. É o modo mais sintético de entende – los é: a cultura no centro da vida pública, coordenando e pensando todas as iniciativas, planos e projetos, de toda natureza, dos transportes à saúde passando pela educação.

Utopia? Em certos lugares do mundo, nem tanto. Ou longe disso. Disposição relativamente simples que incidam sobre a cultura transformam radicalmente a vida de um bairro, de um distrito, de uma cidade – de um país. Há, neste livro, diversos relatos que mostram como e por quê. A vinculação da cultura à economia é um dos caminhos nessa direção. Mas não o único. Em Ibiza, por exemplo, pensa-se mais em qualidade de vida do que no PIB. Em Bilbao discute-se se a presença do Museu Guggenheim alavancou a transformação radical da cidade ou é conseqüência dela – mas o ponto novo e importante é que o Museu esta no centro das atenções.

Com cultura, com muita cultura, é possível que as cidades se transformem em espetáculos (e talvez, caso se passe do ponto, em meros espetáculos); e sem cultura, as cidades continuam sendo cidades paranóicas, para usar as expressões de Canclini. Pode a cultura modificar as anomalias estruturais de uma cidade? Existe hoje a desconfiança – e, mais que isso, claros sinais objetivos – de que só a política ou um conjunto de ambas não fará as mudanças de raiz necessárias. Talvez não se possa fazer das cidades aquilo que se pretende. Mas não há porque ver passivamente a cidade derrapar para o buraco negro da incivilidade e da perda do real sentido do que é ser urbano. O recurso à cultura é uma estratégia eficaz. Em todo caso, melhor.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Iluminuras
Cód. Barras 9788573212945
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788573212945
Profundidade 0.00 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2008
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 191
Peso 0.28 Kg
Largura 14.00 cm
AutorCoelho,Teixeira