Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
e-book

A Menina e o vento e outras peças (Cód: 9354493)

Maria Clara Machado

Nova Fronteira (Livros Digitais)

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 29,90
Cartão Saraiva R$ 29,90

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


A Menina e o vento e outras peças

R$29,90

Descrição

O TABLADO apresenta:A menina e o Vento (1962), traduzida em outros países, em que Maria, por estar entediada com as chatas lições da tia, acaba se envolvendo com um ser mítico, o Vento “em carne e osso”, numa história fantástica. Maroquinhas Fru-Fru (1961), peça aclamada pelo público, nos diverte com uma disputa de dois amigos pelo coração de uma bela jovem numa cidade de interior brasileira. Já na premiadíssima Maria Minhoca (1967), Mister Bulldog, um pai ciumento, faz de tudo para que sua filha escolha o homem certo... que, antes de tudo, precisa passar pela sua aprovação. Por fim, A Gata Borralheira (1962), adaptação magistral com comoventes e inesperadas inovações, como a ambientação em uma cidade de Minas Gerais. Tudo no melhor estilo de Maria Clara Machado.Quando comecei a estudar teatro com Maria Clara Machado em 1970, o Tablado estava produzindo Maroquinhas Fru-Fru com o elenco de atores daquela época. Embora eu não fosse mais criança, e sim adolescente, me lembro do fascínio e encantamento que a peça me causou, e que todo fim de semana lá estava eu no Tablado, assistindo ao espetáculo. Lendo o texto agora, confirmo sua carpintaria teatral, uma característica da autora: diálogos precisos, história bem-armada, acabamento teatral e um senso crítico apurado, tornando o texto muito engraçado. A comédia de costumes ingênua às vezes ganha toques picantes de vaudeville, com direito a todos os mal-entendidos e correrias do gênero que divertem e interessam crianças e adultos. Porém o brilho e a magia de qualquer texto de Maria Clara Machado apareciam, em sua totalidade, na montagem do espetáculo que era dirigido por ela, tornando-o inesquecível, pois Maria Clara sempre escreveu seus textos mais no palco do Tablado do que nas páginas de um texto.Quando fui convidada por Maria Clara Machado para fazer parte do elenco de sua nova montagem, a peça A menina e o Vento, eu estava sentada na sala do Tablado tomando o famoso chá das cinco horas, uma tradição “tabladiana”. Minha surpresa foi tanta que derrubei o chá e quebrei a xícara! “Meu Deus, vou fazer parte do elenco do Tablado”, eu pensei, com grande emoção! Esse sempre foi o meu sonho e de todos os alunos de Maria Clara! O que eu não sabia é que nesse momento eu estava começando minha profissão e uma das maiores paixões da minha vida: o teatro!Recheada de fantasia poética, espírito crítico, malícia, A menina e o Vento mostra também a visão de mundo da autora, já sugerida em outras obras: a condenação dos valores convencionais e dogmáticos e a exaltação da fantasia e da sensibilidade encontradas na infância. As crianças Maria e Pedro e a tia meio criança, meio biruta Aurélia são os únicos personagens da peça que acreditam no Vento e, portanto, conhecem a verdade. Maria tem o privilégio de fazer uma bela viagem pelo Brasil montada na cacunda do Vento, vendo com seus próprios olhos as maravilhas do nosso país (“feche os livros e abra os olhos”, costumava dizer Maria Clara), em vez de ficar trancada no quarto estudando moral e cívica com sua tia Adelaide, uma das representantes, junto com o comissário de polícia, do autoritarismo, da intolerância e da hipocrisia das regras do convívio social que contaminam muitos adultos. Maria pede ao Vento pra fazer umas desordens: “Desmanchar umas paradas. Desarrumar tudo que é arrumadinho. Mundo certinho é tão chato!” Me lembro bem de Maria Clara tendo que dar algumas explicações à censura perto da época da nossa estreia: o ano era 1972 e estávamos em plena ditadura militar.Acabamento teatral, fantasia, humor, domínio absoluto do diálogo e espírito crítico (principalmente em A Gata Borralheira) se encontram nas quatro peças que a Editora Nova Fronteira está trazendo aos seus leitores. Quem já leu vai ter enorme prazer em reler, eu garanto. E, pras novas gerações, é só aproveitar e deixar o resto por conta da imaginação!Louise Cardoso

Características

Produto sob encomenda Sim
Marca Nova Fronteira (Livros Digitais)
Cód. Barras 9788520939840
Acabamento ebook
Coleção / Série Teatro Maria Clara Machado
Formato Livro Digital Epub
Gratuito Não
Proteção Drm Sim
Código do Formato Epub
Número de Páginas 368 (aproximado)
Ano da Publicação 114
Peso 0.00 Kg
AutorMaria Clara Machado