Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 42 Artboard 21 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 42 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 23 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 6 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 43 Artboard 44 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 46 Artboard 8

A Simples Arte de Matar - Vol. 1 (Cód: 2655299)

Chandler,Raymond

L&PM

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 19,90

em até 1x de R$ 19,90 sem juros
Cartão Saraiva: 1x de R$ 18,91 (-5%)

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 1x sem juros de


A Simples Arte de Matar - Vol. 1

R$19,90

Descrição

Todo grande ficcionista tem uma visão de mundo a irrigar sua obra. Raras vezes, porém, tal visão de mundo é fixada em uma reflexão pública, duradoura e fundamental. “A simples arte de matar”, célebre ensaio publicado em 1944, é desses raros casos. Nessa verdadeira profissão de fé, Raymond Chandler (1888-1959), o já estabelecido escritor noir, tece reflexões acerca do ofício de escrever histórias de detetive.
Se por um lado seu mestre é Dashiell Hammett, ele explica por que é tão difícil escrever um conto de detetive perfeito. Elabora sobre os tipos de histórias do gênero, sobre o questionamento de serem ou não arte – e até mesmo sobre o que é arte, simplesmente. Reforça a crença no gênio criador (“Tudo que é escrito com vitalidade exprime essa vitalidade: não há sujeitos desinteressantes. O que há são mentes desinteressantes.”) e elucubra sobre a natureza da leitura (“... toda e qualquer leitura por prazer é uma fuga”) em detrimento de preconceitos literários – preconceitos que durante tanto tempo relegaram as histórias de detetives a uma esfera inferior. Finalmente, esboça sua opinião de como deve ser um detetive, que se aplica não só, mas sobretudo, ao seu principal personagem, Philip Marlowe: “Se houvesse outros como ele, o mundo seria um lugar mais seguro para se viver, sem que com isso se tornasse desinteressante a ponto de não valer a pena viver nele”.
Este volume, fundamental para todo leitor de histórias policiais, conta ainda com “Sangue espanhol” (1935), “O rei de amarelo” (1938), “Vou estar esperando” (1939) e “Pérolas são um incômodo” (1939), ótimos exemplos do grau de apuro literário que o autor conseguira já nos seus primeiros contos.

Características

Peso 0.42 Kg
Produto sob encomenda Não
Editora L&PM
I.S.B.N. 9788525418852
Altura 0.00 cm
Largura 0.00 cm
Profundidade 0.00 cm
Idioma Português
Cód. Barras 9788525418852
País de Origem Brasil
AutorChandler,Raymond