Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
Livro Digital

A tragédia de Ismene, princesa de Tebas (Cód: 9398192)

Pedro de Senna

Móbile (Edição Digital)

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 20,00
Cartão Saraiva R$ 20,00

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


A tragédia de Ismene, princesa de Tebas

R$20,00

Descrição

Triste destino o de Ismene. Precisou esperar dois milênios e meio para ser retirada das sombras que lhe couberam como herança do glorioso teatro ateniense. A maldição dos labdácidas foi mais pesada para a apagada irmã de Antígona, que sobreviveu inglória, na literatura pós-clássica. A tradição a colocou no pedestal das personagens secundárias, como \'símbolo da insegurança e da perplexidade. [Daqueles que] Não têm força e nem coragem para ajudar e nem mesmo para ajudar-se\', nas palavras de Junito Brandão. Ismene jazeu ignorada, objeto de indiferença, incapaz de sugerir uma nova trama, fornecer algum sentido para suas ações ou despertar qualquer interesse para novas plateias do teatro sério ou paródico. Nenhuma importância além de coadjuvante de Antígona nem uma peça, ópera, balé, mímica. Um monólogo apenas, do poeta grego contemporâneo Yannis Ritsos.
A filha de Édipo manteve-se como 'mulher sem qualidades', signo de uma ausência, na tradição a que pertence. Ineditamente esta situação muda, com Pedro de Senna, dramaturgo brasileiro, que percebeu exatamente nesta condição de sombra a situação ideal para qualificá-la como protagonista de uma tragédia moderna e pós-moderna. A vida em negativo, como significante ao qual não se agregou nenhum significado, traduz a patética insignificância, a imagem da nulidade absoluta que a promoveu à exata situação de protagonista da atualidade.
É desta condição nublada que ela ressurge, como lua nova, no firmamento do teatro brasileiro de tema mítico. E mais: foi com a reticente filha de Édipo que A tragédia de Ismene, princesa de Tebas, de Pedro de Senna, obteve o primeiro prêmio, na primeira edição de “Seleção Brasil em Cena 2006”, concurso de dramaturgia para novos autores, promovido pelo Centro Cultural Banco do Brasil. Foi encenada, no ano seguinte, sob a direção de Moacir Chaves e é agora publicada em livro pela Móbile Editorial.

Características

Produto sob encomenda Sim
Marca Móbile (Edição Digital)
Cód. Barras 9788564502253
Acabamento ebook
Início da Venda 24/11/2016
Territorialidade Brasil
Formato Livro Digital Epub
Gratuito Não
Proteção Drm Sim
Número da edição 1
Ano da edição 2013
Idioma 333
Código do Formato Epub
Número de Páginas 96 (aproximado)
Ano da Publicação 116
VOLUME 1
Peso 0.00 Kg
AutorPedro de Senna

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: A tragédia de Ismene, princesa de Tebas