Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8

Adrienne Mesurat (Cód: 2601559)

Green,Julien

Novo Século - SP

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 39,90
Cartão Saraiva R$ 37,91 (-5%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Adrienne Mesurat

R$39,90

Descrição

Em meio a lirismo crispado e um desenfreado desnudamento psicológico, Adrienne Mesurat se debate entre a atração e a repulsa ao prazer, o desejo de pureza e a luta pertinaz em busca da verdade.

A notoriedade universal de Julien Green advém destas três modalidades de expressão literária: o romance, o teatro e o diário. Poderíamos ainda acrescer o ensaio - lembrando sobretudo o seu famoso Pamphlet contre lês catholiques de France - se esta quarta modalidade não estivesse contida nos sucessivos textos reflexivos dos numerosos volumes de seu Diário.

A rigor, para fixar com nitidez o perfil intelectual de Julien Green, cumpre-nos destacar, no conjunto de sua obra, os romances e o diário. Porque neles se concentra verdadeiramente o seu gênio de escritor, quer na limpidez da prosa narrativa, quer na capacidade de adentrar-se no mistério da condição humana.

Pierre Gaxotte, que o recebeu na Academia Francesa, acentuou em Julien Green a concordância com François Mauriac, seu antecessor na velha Casa de Richelieu. Ambos católicos, ambos romancistas, ambos recolhendo no pecado a inspiração literária. Separava-os, no entanto, a reação diante da vida e do mundo - mais sarcásticas em Mauriac, mais patética em Julien Green. Mas é deste último, no seu discurso de posse na Academia, o reparo de que, sem um pouco de humour, a vida seria intolerável.

Creio que foi Alceu Amoroso Lima, ao fim dos anos 30, num artigo sobre Lúcio Cardoso, quem primeiro aludiu, no Brasil, à obra romanesca de Julien Green, acentuando-lhe a significação e a importância. No entanto, a despeito do louvor do grande crítico, essa obra, segundo suponho, só agora, com este romance, encontra, no Brasil, o caminho da língua portuguesa.

Traduzida em outras línguas cultas, notadamente a inglesa, a alemã, a italiana, a espanhola, a obra de Green ultrapassa o idioma francês em que foi originariamente criada, para inserir-se no contexto mais amplo do romance universal. É ele, por isso mesmo, um dos mestres da ficção contemporânea.

Em que consistiria essa mestria? No poder de penetrar os arcanos da alma humana, por intermédio do vasto elenco de personagens com que nos deu a sua visão do mundo e da vida. Dele se pode dizer que entrou no romance como um mestre, ao publicar Mont-Cinère, em 1926.

No ano seguinte vem a lume Adrienne Mesurat, logo laureado pelo prêmio Paul Flat, da Academia Francesa. Mais de cinqüenta anos levou este livro para chegar à língua portuguesa. E certamente para abrir caminho a outros romances de Julien Green, notadamente Moira, que tenho à conta de sua obra-prima, e em cuja entrada colocou ele a reflexão de São Francisco de Sales que poderia servir de epígrafe a todo o seu conjunto romanesco: 'A pureza só se encontra no Paraíso e no Inferno'.

Com a obra de Proust, o romance psicológico parecia exaurido. Dir-se-ia ser impossível prosseguir no mesmo caminho, em busca de conhecimento de nossas angústias e dilacerações. Julien Green demonstraria o contrário, mas sob outra luz. Proust viu os nossos conflitos no plano da realidade objetiva, sem levar em conta que o pecado, em vez de ser apenas a via da perdição e da renúncia, é também a vereda que conduz ao encontro com Deus. Só esse encontro nos traz o perdão.

Julien Green é sobretudo o romancista desse outro lado da vida. Banha-lhe a obra romanesca uma claridade de círios acesos. O homem vive no pecado para se purificar na sua flama.

Ao fechar este romance, jamais nos esqueceremos de sua figura central. Os medos e as perplexidades de Adrienne Mesurat se incorporam ao nosso próprio acervo de emoções pessoais. Porque ela vive conosco, trazida pelo poder criador do romancista. E conosco continua; por força da arte com que foi concebida e realizada.
Josué Montello

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Novo Século - SP
Cód. Barras 9788576791980
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788576791980
Profundidade 0.00 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2008
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 320
Peso 0.44 Kg
Largura 14.00 cm
AutorGreen,Julien

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Adrienne Mesurat