Artboard 33atençãoArtboard 18atualizarconectividadeArtboard 42boletocarrinhocartãoArtboard 45cartão SaraivacelularArtboard 42Artboard 23checkArtboard 28Artboard 17?compararcompartilharcompartilhar ativoArtboard 28Artboard 43Artboard 49Artboard 47Artboard 15Artboard 32ebookArtboard 22Artboard 5Artboard 25Artboard 1Artboard 42Artboard 11fecharfilmesArtboard 23gamesArtboard 4Artboard 9Artboard 6hqimportadosinformáticaArtboard 7Artboard 3Artboard 12Artboard 25Artboard 34Artboard 43Artboard 44curtirArtboard 24Artboard 13livrosArtboard 24Artboard 31menumúsicaArtboard 27Artboard 30Artboard 36Artboard 44outrospapelariaArtboard 17Artboard 6Artboard 27Artboard 30Artboard 29Artboard 26Artboard 2Artboard 20Artboard 35estrelaestrela ativorelógiobuscaArtboard 50Artboard 26toda saraivaArtboard 40Artboard 21Artboard 10Artboard 37usuárioArtboard 46Artboard 33Artboard 8seta

Assim na Terra (Cód: 4869788)

Enia,Davide

Alfaguara / Objetiva

Vendido e entregue por Saraiva

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

De: R$ 49,90

Por: R$ 37,90

em até 1x de R$ 37,90 sem juros
Cartão Saraiva: 1x de R$ 36,01 (-5%)

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 1x sem juros de


Assim na Terra

R$37,90

Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X
Formas de envio Custo Entrega estimada

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 15:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

O boxe é o ponto de partida para contar a história de um menino de 9 anos que mora em Palermo durante a II Guerra Mundial. Sua intenção de se tornar um grande boxeador traz conflitos familiares, seu pai e tio já trilharam esse mesmo caminho, sem sucesso. Nas palavras do autor: é a história de uma batalha contínua, uma luta num mundo sempre em guerra contra o sentimento de culpa, contra a fome e a miséria, encarando as próprias sombras e de repente se sentindo abençoados por intensos momentos luminosos: um beijo na boca, o sorriso cúmplice de um tio idoso, a tranquilidade que nos transmite o mar ou a descoberta que uma planta germinou.  Porque é na terra que caimos, é da terra que nos levantamos e é nessa terra que lutamos.  O estilo de Enia é comparado ao de Ernest Hemingway.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Alfaguara / Objetiva
Cód. Barras 9788579622144
Altura 23.40 cm
I.S.B.N. 9788579622144
Profundidade 1.80 cm
Tradutor Bottmann, Denise
Peso 0.47 Kg
Largura 15.00 cm
AutorEnia,Davide

Leia um trecho

Primeira Parte
O tubarão vai à guerra

— Não, é como estou dizendo. Quando a gente mete pela primeira vez, o fiozinho se solta.
Nino Pullara foi peremptório. Era o mais velho, o mais alto e o mais forte do grupo. Decerto tinha razão.
— É assim, meu primo Girolamo me contou, ele já meteu doze vezes, tem quinze anos, na primeira vez o fiozinho do pinto se solta.
— Dói? — perguntou Lele Tranchina, pouco se lixando que perguntar sobre a dor é sinal de fraqueza.
— Dói sim, sai sangue, mas Girolamo falou que, se a gente enfia certo, o prazer bate de longe o pouco de dor.
Nos bancos da praça reinavam palavras feitas a canivetes rebeldes.
POLÍCIA DE BOSTA
ESTADO = MÁFIA
MENOS MEGANHA, MAIS HEROÍNA
Nino Pullara tirou um maço de cigarros, acendeu um, fez circular pelo grupo.
— Gerruso, imbecil que você é, quando tragar, empurre a fumaça toda para baixo, senão você não sente nada e aí não adianta.
— Mas me dá vontade de tossir.
— Isso porque você é um viado.
Gerruso, para ficar no grupo, suportava de tudo: pontapés, cusparadas, arranhões. Estava tão resignado com a ideia de levar um monte de bordoada que já nem resistia. O resultado era que dava cada vez menos satisfação espancá-lo.
— Eu — retomou Pullara — quando crescer quero fazer duas coisas: a primeira é meter na Fabrizia.
— Aquela da padaria? — perguntou Danilo Dominici, arregalando os olhos.
— Aquela mesma.
Fabrizia, dezessete anos retumbantes, dois peitos firmes. Desde que ela começou a trabalhar na padaria, todo o bairro ia comprar pão lá.
— Nunca se viu tanto homem querendo fazer compras — insinuava com malícia minha avó Provvidenza.
— Na Fabrizia vou meter mesmo, mas só depois de soltar o fiozinho.
Pullara ostentava a segurança de quem está no alto de seus doze anos.
— E a segunda coisa que você quer fazer, o que é? — perguntou Guido Castiglia.
Guido Castiglia nunca deixava passar nenhum detalhe. E com ele, com o Castiglia, era melhor não criar encrenca. Uma vez, pediu um chiclete a Paolo Vizzini e ele negou, não quis dar. Castiglia, quieto, sem pestanejar, foi embora. Dois meses depois, Vizzini despencou de uma alfarrobeira e caiu por cima da perna esquerda. Ficou com a carne toda estraçalhada, via-se o branco do osso.
— Socorro! Socorro! — gritava.
Guido Castiglia apareceu na rua de terra.
— Quer que eu vá chamar ajuda?
Vizzini implorava que sim.
— Assim você aprende a não me dar chiclete.
Largou-o lá sozinho, com a perna quebrada, chorando feito uma menina.
— Quero fazer o trabalho de meu pai: ser frentista.
A frase de Pullara soou como uma sentença. O tom de voz ressaltava a inexorabilidade do futuro. Ser frentista era um trabalho incomparável: ficar sentado à sombra, entre o mágico perfume da gasolina; um cão de companhia, preso na corrente, que, em caso de tédio, sempre se podia moer de pancadas; no bolso de trás da calça, um maço gordo e imponente de trocados.
— Eu também, quando crescer, quero fazer o que meu pai faz — comunicou Danilo Dominici. — É bom, fica sempre ao ar livre.
Seu pai asfaltava estradas.
— Também quero fazer o trabalho de meu pai, guarda de trânsito.
Olhamos para Gerruso com desdém, ser guarda de trânsito é trabalho imprestável, nem revólver tem.
— Gerruso, olha aqui.
Assim que se virou, Pullara lhe deu um tapa com a mão espalmada. Depois, virou-se para mim.
— E você, Davidù? No que quer trabalhar?
Respondi a primeira verdade que me passou pela cabeça, sem refletir muito a respeito.
— Eu? Hmm, não sei, não sou como vocês que querem fazer o que os pais fazem, posso fazer o que quiser, tenho mais sorte que vocês, sou órfão.

Em frente de casa encontrei minha avó, sentada num banquinho na sombra do jacarandá. Fumava um cigarro, apoiada no encosto verde e enferrujado.
— Alegria dos meus olhos, sente aqui do meu lado, teu avô está lá em cima, está fazendo o jantar.
— Mamãe ainda não voltou do hospital?
— Não. Parece que explodiu uma bomba na tua cabeça.
Ria, entre uma tossida e uma tragada.
Minha avó cheirava a tabaco e giz.
Era professora primária. Me ensinou a ler e a escrever.
Eu tinha quatro anos.
Ficava me amolando.
— Davidù, vamos aprender a ler e a escrever?
Todo santo dia.
Venceu pelo cansaço. E também porque prometeu que depois me ensinaria a soltar arrotos conforme eu quisesse.
Cumpriu a palavra.
— O que você fez hoje?
— Na escola nada, a professora nos mandou desenhar porque está acabando os boletins, na praça conversei com os amigos sobre quando crescemos.
— Crescermos.
— Tá, mas dava para entender.
— Davidù, não interessa se o outro entende, precisa cuidar das palavras. O que a vó te ensinou? O que são as palavras?