Artboard 33atençãoArtboard 18atualizarconectividadeArtboard 42boletocarrinhocartãoArtboard 45cartão SaraivacelularArtboard 42Artboard 23checkArtboard 28Artboard 17?compararcompartilharcompartilhar ativoArtboard 28Artboard 43Artboard 49Artboard 47Artboard 15Artboard 32ebookArtboard 22Artboard 5Artboard 25Artboard 1Artboard 42Artboard 11fecharfilmesArtboard 23gamesArtboard 4Artboard 9Artboard 6hqimportadosinformáticaArtboard 7Artboard 3Artboard 12Artboard 25Artboard 34Artboard 43Artboard 44curtirArtboard 24Artboard 13livrosArtboard 24Artboard 31menumúsicaArtboard 27Artboard 30Artboard 36Artboard 44outrospapelariaArtboard 17Artboard 6Artboard 27Artboard 30Artboard 29Artboard 26Artboard 2Artboard 20Artboard 35estrelaestrela ativorelógiobuscaArtboard 50Artboard 26toda saraivaArtboard 40Artboard 21Artboard 10Artboard 37usuárioArtboard 46Artboard 33Artboard 8seta

Alice Munro

País de origem: Canadá
Nascimento: 19 de outubro de 2018
Site:
Gêneros Contos
Alice Ann Munro nasceu em 1931 em Wingham, no Canadá e é autora de diversos livros de contos, traduzidos para mais de dez idiomas. A escritora canadense Alice Munro foi a vencedora do prêmio Nobel de Literatura de 2013, tornando-se a 13ª mulher a receber o título e a primeira autora de contos a ser premiada.

Em 1976 retornou a prática da escrita, que tinha iniciado jovem com crônicas (desde 1950). Munro reconheceu a influência na sua obra de grandes escritoras, como Katherine Anne Porter, Flannery O’Connor, Carson McCullers ou Eudora Welty, bem como de James Agee e especialmente William Maxwell. Os seus relatos centram-se nas relações humanas analisadas através da lente da vida cotidiana. Por isso, e pela sua qualidade, tem sido chamada "a Chekov do Canadá".

Alice Munro foi entrevistada pela célebre The Paris Review em 1994. Foi por três vezes vencedora do prémio de ficção literária do seu país. Em 1998 Alice Munro foi premiada pelo National Book Critics Circle Award dos Estados Unidos, pela obra “O Amor de uma Mulher Generosa”.

A carreira de Alice se estende por quatro décadas e meia, iniciada com a coletânea “Dance of the Happy Shades”, em 1968, e “Dear Life”, que ela afirma ser seu último livro. Em suas obras, as protagonistas são simples, de pequenas cidades no Canadá e costumam passar por fortes transformações culturais e de costumes. Além disso, temas como morte e doença são frequentes, para falar sobre a fugacidade e a precariedade da vida.
Leia mais