Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8

Padre António Vieira

País de origem: Portugal
Nascimento: 19 de novembro de 2017
Site:
Gêneros Literatura
António Vieira nasceu em Lisboa em 6 de fevereiro de 1608, mais conhecido como Padre António Vieira, foi um religioso, filósofo, escritor e orador português da Companhia de Jesus. Aos 6 anos, vem para o Brasil e mais tarde ingressa no colégio jesuítico da Bahia.

Ordenando-se em 1634, logo alcança o nome de pregador vibrante e culto. Com o movimento português de restauração da independência (deflagrado em 1 dezembro de 1640), viaja para Portugal a fim de protestar lealdade ao novo monarca, D. João IV, junto a quem passa a gozar de grande prestígio e respeito, de que resulta ser nomeado, para várias embaixadas diplomáticas no estrangeiro.

Em 1652, transferindo-se para o Maranhão, dedica-se à catequese e conversão de indígenas. Nove anos depois regressa para Lisboa e é preso por suas convicções de fundo sebastianista. Confinam-no durante oito anos numa casa jesuítica e é cassado o direito de pregar. Liberto segue para a Roma a pleitear revisão do processo, e torna-se orador oficial do salão literário da Rainha Cristina da Suécia.

Depois de alguns anos em Lisboa defendendo a causa dos judeus perante a Inquisição, retorna ao Brasil (1681) e entrega-se à faina de redigir e polir seus sermões e outras obras. Morreu em Salvador em 18/07/1697. Antonio Vieira escreveu “Sermões” (15 volumes), “História do Futuro” (1718), “Esperanças de Portugal” (1856-1857), Clavis Prophetarum (incompleta e inédita) e mais de setecentas cartas.

Na literatura, seus sermões possuem considerável importância no barroco brasileiro e português. As universidades frequentemente exigem a sua leitura.
Leia mais