Artboard 33Artboard 16Artboard 18Artboard 13Artboard 42Artboard 21Artboard 4Artboard 5Artboard 45Artboard 22Artboard 7Artboard 42Artboard 23Artboard 12Artboard 28Artboard 17?Artboard 28Artboard 43Artboard 49Artboard 47Artboard 15Artboard 32Artboard 6Artboard 22Artboard 5Artboard 25Artboard 1Artboard 42Artboard 11Artboard 41Artboard 11Artboard 23Artboard 10Artboard 4Artboard 9Artboard 6Artboard 8Artboard 7Artboard 3Artboard 12Artboard 25Artboard 34Artboard 43Artboard 44Artboard 16Artboard 24Artboard 13Artboard 5Artboard 24Artboard 31Artboard 1Artboard 12Artboard 27Artboard 30Artboard 36Artboard 44Artboard 9Artboard 17Artboard 6Artboard 27Artboard 30Artboard 29Artboard 26Artboard 2Artboard 20Artboard 35Artboard 15Artboard 14Artboard 50Artboard 26Artboard 14Artboard 40Artboard 21Artboard 10Artboard 37Artboard 46Artboard 33Artboard 8

Svetlana Alexiévich

País de origem: Rússia
Nascimento: 26 de maio de 2018
Site:
Gêneros Crônicas
Svetlana Aleksandrovna Aleksiévitch, também grafado como Svetlana Alexievitch nasceu na Ucrânia em 31 de maio de 1948 e é uma escritora e jornalista bielorrussa. Foi galardoada com o Nobel de Literatura de 2015 "pela sua escrita polifónica, monumento ao sofrimento e à coragem na nossa época".

Desde cedo demonstrou interesse pela escrita, e depois das aulas, trabalhava como jornalista em um jornal local da cidade de Narovl. Entrou na Universidade de Minsk em 1967, onde cursou Jornalismo. Nos seus anos de universidade, ganhou vários prêmios em concursos de escrita para estudantes.

Depois de concluir os seus estudos, assumiu funções em jornais locais mas também trabalhou como professora. Neste momento da sua vida, teve que escolher entre a carreira de professora (que era tradição na sua família), jornalista, ou investigadora na universidade. Seguiu a área da escrita e jornalismo, tendo trabalhado no Jornal Rural de Minsk e mais tarde foi chefe de seção de uma revista literária.

Usou seu estilo pela primeira vez no seu livro “A Guerra Não Tem Rosto Feminino” (1983), em que a partir de uma série de entrevistas aborda o tema das mulheres russas que participaram na Segunda Guerra Mundial.

A sua obra é uma crônica pessoal da história dos homens e mulheres soviéticos e pós-soviéticos, a quem entrevistou para as suas narrativas durante os momentos mais dramáticos da história do seu país.

Vários livros seus têm sido publicados na Europa, Estados Unidos, China, Vietname e Índia. Desde 1996 tem recebido numerosos prémios internacionais, como o polaco Ryszard-Kapuściński em 1996, o Prêmio Herder em 1999 e o Prémio da Paz dos Editores Alemães (2013), entre outros. Está traduzida em 22 línguas e algumas das suas obras foram adaptadas a peças de teatro e documentários. Aleksievitch recebeu, entre outras distinções, o Erich Maria Remarque Peace Prize, em 2001, e o National Book Critics Circle Award, em 2006.

Um dos seus livros mais conhecidos tem por nome “Vozes de Chernobil”, que relata a experiência de pessoas que enfrentaram o desastre em uma usina nuclear. O foco do livro não é o acidente nuclear em si, mas aborda o mundo depois do desastre e como as pessoas se adaptaram depois da catástrofe nuclear.

No dia 8 de Outubro de 2015, foi galardoada com o Prêmio Nobel da Literatura, como forma de reconhecimento pelo seu trabalho.
Leia mais