Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
Promoção Visa Checkout
e-book

Crás! (Cód: 8884675)

Lima T. Aliedson

Clube de Autores (Edição Digital)

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 10,76
Cartão Saraiva R$ 10,76

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Crás!

R$10,76

Descrição

Crás! – uma breve apresentação “Crás!” – eis um grito de liberdade! Nada define melhor este livro que um grito de liberdade. Acrescentaria apenas que este grito é finalizado com um riso – um satírico riso de liberdade. Liberdade no pensar, no criar, no expor, etc. A psicologia do instante é trazida à tona ora por um poeta, ora por um filósofo, ora por um poeta filósofo (que seria um filósofo embriagado pela liberdade criada). Para traduzir o que foi dito em versos, transcrevo o poema “o grito”: “escrevo um poema/ e com este grito/ os morcegos evacuam a caverna/ no escuro/ apenas o silêncio/ e um riso de contentamento”. Há em cada um dos cem poemas abordados neste livro um gozo de poder, um “riso de contentamento” – um deleite da liberdade. Um poeta que descobriu o “Adônis” psíquico e que não teme expô-lo. Nietzsche, um filósofo que por vezes foi muito mais poeta, prefaciava a vinda de homens que ele chamou de “espíritos-livres”, o Adônis encontrado neste livro caminha beirando esta condição. O livro foi divido em cinco sessões e dois poemas à parte. A primeira sessão “o corvo e o corpo”, é marcada pelo estado contemplativo. Os filhos da inSonia são concebidos entre as “paredes gastas pelo tédio” – um tédio existencial que dá à um luz uma necessidade de se afirmar, de justificar a existência fazendo uso da poesia (ou sendo usado por esta?). Esta necessidade de se afirmar gera uma tensão que deixa um grito preso na garganta, quando um “corvo ainda lhe pica os olhos”, ou quando os livros da biblioteca troçam “das páginas que não serão páginas . A primeira sessão é fruto de uma sufocante introspecção, que chega a ensaiar uns gritos de liberdade ao contemplar a natureza ao redor, mas que se caracteriza mesmo como um prenúncio do grito à frente. A segunda sessão se chama “serpentário”. Um ninho de cobras-poema. Aqui é válido ressaltar a liberdade na escrita – são poemas curtos, mas dotados de um veneno ímpar. Uma serpente que pica sobre tempo, morte, vida, finalidade e estética poética; uma serpente que se traja de oráculo para anunciar no fim da sessão “hoje é o dia da chuva/ amanhã será o dia dos pássaros”. “as mulheres do Baudelaire” é o título da terceira sessão. A natureza feminina – que poeta conseguiu escapar de fazer versos sobre algo tão provocante? Elas provocaram, quando a resposta foram os versos. A liberdade com a morte do pudor – ou ao menos o longo desmaio – traduz-se em versos lascivos, onde o desejo de falar sobre o desejo ganhou forma em alguns poemas. Esta sessão é uma “pintura surrealista” da natureza feminina, do amor e do desejo. Na quarta sessão chegamos ao clímax do livro, chegamos ao nosso grito “Crás!” – título da sessão, de um poema desta e do livro: como um grito que ecoa sem cessar. Com a “morte do silêncio”, o “Adônis” quer falar sobre Deus. Quer mostrar como “a palavra sentimental/ evoluiu para centimentral”, quer explicar por que “no céu nem tudo é azul”. Na quinta e última sessão aparecem “os corvos do Van Gogh”. São homenagens a alguns “corvos” que ajudaram em sua pintura poética: Stephen Hawking, Friedrich Nietzsche, Manuel de Barros, Augusto dos Anjos, Carlos Drummond de Andrade, e a sessão é finalizada ao som dos reis do blues: Jimi Hendrix, B. B. King e Eric Clapton. Aqui o poeta é livre pra revelar alguns dos degraus que conduziram a sua liberdade. Nesta sessão o grito não perde força, ao contrário ganha força com a pergunta: “o que é um verdadeiro poema/ senão manchas de sangue?” Os dois últimos poemas do livro funcionam como epílogos. O primeiro é um soneto da adolescência, um poema que, mesmo tendo sido escrito há algum tempo atrás, nos dá uma noção bem aproximada da liberdade do poeta que escreveu este livro – não é por acaso que é dedicado a Rimbaud. O segundo é um dos gritos mais altos. Uma sátira sobre o fazer poético (e por que não sobre a moralidade?), onde a própria “Poesia” é posta no divã e desabafa sobre os “poetas”. Crás! – um grito de liberdade. Um convi

Características

Produto sob encomenda Sim
Marca Clube de Autores (Edição Digital)
Cód. Barras 2999990186497
Acabamento ebook
Início da Venda 18/05/2015
Territorialidade Internacional
Formato Livro Digital Pdf
Gratuito Não
Tamanho do Arquivo 1120
Proteção Drm Sim
Número da edição 1
Ano da edição 2015
Idioma Português
Número de Páginas 144 (aproximado)
Ano da Publicação 2015
Mês da Publicação MAIO
VOLUME 1
Peso 0.00 Kg
AutorLima T. Aliedson