Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8

Curumin (Cód: 4069550)

Curumin

Microservice ( Áudio e Multimídia )

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 25,90
Cartão Saraiva R$ 24,61 (-5%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Curumin

R$25,90

Descrição

Com produção de Zé Nigro, Lucas Martins e Curumin e participações de músicos como Gui Amabis, Edy Trombone e Ricardo Hertz, “Arrocha” deságua no que seria a continuidade de um processo de pesquisa e referência às antiguidades orais iniciado com “Japan Pop Show,” lançado em 2009. Diferentemente deste último, que claramente abordava a “antepassalidade” nipônica de Curumin - resultando em pertinente homenagem – no disco “Arrocha” nota-se motivação ainda mais ancestral, já que alimenta-se basicamente de observação às intervenções da própria natureza do Planeta e suas influências nas culturas humanas. Assim percebe-se nas canções “Treme-Terra”, mais especificamente no refrão “Abalou Aê”!, corruptela de “Obalúayé “(Rei da Terra) divindade iorubá da morte, destruição e reconstrução, cujo nome evita-se que seja pronunciado já que sua invocação seja passível de abalos e mudanças sísmicas. Neste caso “Abalou Aê!” - o deus invocado - é a destruição em si e todo inevitável e reconfortante recomeço que advém desta. “Afoxoque”, uma parceria de Curumin com RussoPassaPusso, que também a interpreta no disco - e “Doce” – que remete aos skas da “primeira geração” dos anos 1960, mais a versão de “Vestido de Prata”- registro de significativo sucesso nas pistas de samba-rock na voz de Paulinho Boca de Cantor em “Arrocha” embalada pelos vocais de Céu - também carregam a especificidade da atenção à tradição oral e seus repasses míticos com o silencioso respeito do iniciado aos fundamentos da relevante história. As performances de “Arrocha”, no entanto, perpassam a mera observância e se tornam agentes ativos deste tempo presente, quando ao toque de tambor e melodias percussivas simples, juntam-se elementos da expressiva musicalidade contemporânea. Samplers, teclados, computadores e outros recursos da música eletrônica ou manual, inserem em cada faixa novos dados para a culminância de uma produção que soa bastante atemporal. O revezamento entre a grave observação e reverência ao passado das canções descritas acima e a leveza quase etérea de “Passarinho”, de RussoPassaPusso, “Paris Vila Matilde”, feita em parceria com Anelis Assumpção e “Pra Nunca Mais”, com Arnaldo Antunes aliados à alegria ingênua de “Sapo Cururu” e “Tupãzinho Guerrero”, fazem com que “Arrocha” de forma simultânea, crie-se e renove-se. Sobre Curumin Nascido em São Paulo no ano de 1976, descendente de japoneses, Luciano Nakata Albuquerque ganhou logo cedo o apelido de Curumin. Iniciou sua incursão musical aos oito anos, quando formou sua primeira banda com colegas de escola, tocando panelas em substituição à bateria. Aos 14 anos já tocava bateria e percussão em casas noturnas de São Paulo. Em 2003, Curumin iniciou sua carreira solo com o lançamento de seu primeiro disco “Achados e Perdidos”, que apresenta influências musicais do Soul e Funk americanos, além de Samba-Funk dos anos 70 e Hip-Hop. Em 2005, o CD foi lançado no mercado norte-americano pelo selo californiano Quannum Projects. Em 2007, Curumin inicou a produção de seu segundo disco “JapanPopShow”, contando com a participação de artistas como Blackalicious, Tommy Guerrero, General Electric, Lucas Santtana e Turbo Trio. 'JapanPopShow' foi lançado em 2008 simultaneamente no Brasil pela YB Music, nos EUA pela Quannum Projects e no Japão pela JVC / Victor Entertainment. Como baterista, Curumin acompanhou grandes nomes da MPB, como Arnaldo Antunes (de 1999 a 2012), Crioulo (2011), Céu (2007), Vanessa da Matta (2006) e Paula Lima (de 1997 a 2002), entre outros. Ainda na década de 1990 tocou com a Banda Toca ao lado do guitarrista e produtor Gustavo Lenza, com quem veio a produzir seus dois primeiros discos.



Faixas do CD



1. Afoxoque (Curumin/RussoPassaPusso)
2. Selvage (Curumin)

3. Treme Terra (Curumin)

4. Passarinho (RussoPassaPusso)

5. Paris Vila Matilde (Curumin/Anelis Assumpção)
6. Tupanzinho Guerreiro (Curumin)
7. Vestido de prata (Chico Evangelista/ Jorge Alfredo)
8. Doce (Curumin)
9. BlimBlim (Curumin)
10. Sapo Cururu (Curumin)

11. Acorda (Curumin)
12. Pra nunca mais (Curumin/ Arnaldo Antunes/ Márcia Xavier)
13. Bambora! (Curumin)

Características

Produto sob encomenda Não
Marca Microservice ( Áudio e Multimídia )
Cód. Barras 7892141645775
Altura 12.50 cm
Profundidade 1.00 cm
Peso 0.10 Kg
Largura 14.00 cm
AutorCurumin

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Curumin