Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 42 Artboard 21 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 42 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 23 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 6 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 43 Artboard 44 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 46 Artboard 8

Curumin (Cód: 4069550)

Curumin

Microservice ( ?udio e Multim?dia )

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 25,90

em até 1x de R$ 25,90 sem juros
Cartão Saraiva: 1x de R$ 24,61 (-5%)

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 1x sem juros de


Curumin

R$25,90

Descrição

Com produção de Zé Nigro, Lucas Martins e Curumin e participações de músicos como Gui Amabis, Edy Trombone e Ricardo Hertz, “Arrocha” deságua no que seria a continuidade de um processo de pesquisa e referência às antiguidades orais iniciado com “Japan Pop Show,” lançado em 2009. Diferentemente deste último, que claramente abordava a “antepassalidade” nipônica de Curumin - resultando em pertinente homenagem – no disco “Arrocha” nota-se motivação ainda mais ancestral, já que alimenta-se basicamente de observação às intervenções da própria natureza do Planeta e suas influências nas culturas humanas. Assim percebe-se nas canções “Treme-Terra”, mais especificamente no refrão “Abalou Aê”!, corruptela de “Obalúayé “(Rei da Terra) divindade iorubá da morte, destruição e reconstrução, cujo nome evita-se que seja pronunciado já que sua invocação seja passível de abalos e mudanças sísmicas. Neste caso “Abalou Aê!” - o deus invocado - é a destruição em si e todo inevitável e reconfortante recomeço que advém desta. “Afoxoque”, uma parceria de Curumin com RussoPassaPusso, que também a interpreta no disco - e “Doce” – que remete aos skas da “primeira geração” dos anos 1960, mais a versão de “Vestido de Prata”- registro de significativo sucesso nas pistas de samba-rock na voz de Paulinho Boca de Cantor em “Arrocha” embalada pelos vocais de Céu - também carregam a especificidade da atenção à tradição oral e seus repasses míticos com o silencioso respeito do iniciado aos fundamentos da relevante história. As performances de “Arrocha”, no entanto, perpassam a mera observância e se tornam agentes ativos deste tempo presente, quando ao toque de tambor e melodias percussivas simples, juntam-se elementos da expressiva musicalidade contemporânea. Samplers, teclados, computadores e outros recursos da música eletrônica ou manual, inserem em cada faixa novos dados para a culminância de uma produção que soa bastante atemporal. O revezamento entre a grave observação e reverência ao passado das canções descritas acima e a leveza quase etérea de “Passarinho”, de RussoPassaPusso, “Paris Vila Matilde”, feita em parceria com Anelis Assumpção e “Pra Nunca Mais”, com Arnaldo Antunes aliados à alegria ingênua de “Sapo Cururu” e “Tupãzinho Guerrero”, fazem com que “Arrocha” de forma simultânea, crie-se e renove-se. Sobre Curumin Nascido em São Paulo no ano de 1976, descendente de japoneses, Luciano Nakata Albuquerque ganhou logo cedo o apelido de Curumin. Iniciou sua incursão musical aos oito anos, quando formou sua primeira banda com colegas de escola, tocando panelas em substituição à bateria. Aos 14 anos já tocava bateria e percussão em casas noturnas de São Paulo. Em 2003, Curumin iniciou sua carreira solo com o lançamento de seu primeiro disco “Achados e Perdidos”, que apresenta influências musicais do Soul e Funk americanos, além de Samba-Funk dos anos 70 e Hip-Hop. Em 2005, o CD foi lançado no mercado norte-americano pelo selo californiano Quannum Projects. Em 2007, Curumin inicou a produção de seu segundo disco “JapanPopShow”, contando com a participação de artistas como Blackalicious, Tommy Guerrero, General Electric, Lucas Santtana e Turbo Trio. 'JapanPopShow' foi lançado em 2008 simultaneamente no Brasil pela YB Music, nos EUA pela Quannum Projects e no Japão pela JVC / Victor Entertainment. Como baterista, Curumin acompanhou grandes nomes da MPB, como Arnaldo Antunes (de 1999 a 2012), Crioulo (2011), Céu (2007), Vanessa da Matta (2006) e Paula Lima (de 1997 a 2002), entre outros. Ainda na década de 1990 tocou com a Banda Toca ao lado do guitarrista e produtor Gustavo Lenza, com quem veio a produzir seus dois primeiros discos.



Faixas do CD



1. Afoxoque (Curumin/RussoPassaPusso)
2. Selvage (Curumin)

3. Treme Terra (Curumin)

4. Passarinho (RussoPassaPusso)

5. Paris Vila Matilde (Curumin/Anelis Assumpção)
6. Tupanzinho Guerreiro (Curumin)
7. Vestido de prata (Chico Evangelista/ Jorge Alfredo)
8. Doce (Curumin)
9. BlimBlim (Curumin)
10. Sapo Cururu (Curumin)

11. Acorda (Curumin)
12. Pra nunca mais (Curumin/ Arnaldo Antunes/ Márcia Xavier)
13. Bambora! (Curumin)

Características

Peso 0.10 Kg
Produto sob encomenda Não
Marca Microservice ( ?udio e Multim?dia )
Altura 12.50 cm
Largura 14.00 cm
Profundidade 1.00 cm
Cód. Barras 7892141645775
AutorCurumin