Artboard 33Artboard 16Artboard 18Artboard 13Artboard 42Artboard 21Artboard 4Artboard 5Artboard 45Artboard 22Artboard 7Artboard 42Artboard 23Artboard 12Artboard 28Artboard 17?Artboard 28Artboard 43Artboard 49Artboard 47Artboard 15Artboard 32Artboard 6Artboard 22Artboard 5Artboard 25Artboard 1Artboard 42Artboard 11Artboard 41Artboard 11Artboard 23Artboard 10Artboard 4Artboard 9Artboard 6Artboard 8Artboard 7Artboard 3Artboard 12Artboard 25Artboard 34Artboard 43Artboard 44Artboard 16Artboard 24Artboard 13Artboard 5Artboard 24Artboard 31Artboard 1Artboard 12Artboard 27Artboard 30Artboard 36Artboard 44Artboard 9Artboard 17Artboard 6Artboard 27Artboard 30Artboard 29Artboard 26Artboard 2Artboard 20Artboard 35Artboard 15Artboard 14Artboard 50Artboard 26Artboard 14Artboard 40Artboard 21Artboard 10Artboard 37Artboard 46Artboard 33Artboard 8

Eu Seria Péssima Pra Estar na Sua Banca (Cód: 9375971)

Gerhardt,Cleyton Henrique

Appris

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 55,00

em até 1x de R$ 55,00 sem juros
Cartão Saraiva: 1x de R$ 52,25 (-5%)

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 1x sem juros de


Eu Seria Péssima Pra Estar na Sua Banca

R$55,00

Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X
Formas de envio Custo Entrega estimada

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 15:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

Nas últimas três décadas, o debate sobre conflitos envolvendo populações locais e áreas protegidas no Brasil tem se revelado um tema bastante controverso. Há certa tendência entre cientistas naturais, cientistas sociais e profissionais de disciplinas aplicadas de caracterizar a discussão a partir de um ambiente dividido em torno de duas grandes “posições”, as quais ao mesmo tempo influenciariam e resultariam de argumentações mais amplas relacionadas à criação/gestão de áreas protegidas. Eis que surgem nas suas falas e em seus escritos um conjunto abundante de categorias que, na maioria das vezes, aparece em oposição, estando entre as mais corriqueiras: preservacionismo x conservacionismo; ambientalismo x socioambientalismo; movimento ecológico x movimento social; cientistas naturais x cientistas sociais; biologia da conservação x ecologia social; biocêntricos x antropocêntricos; militantes ecologistas x povos tradicionais. Mas o que aconteceria caso se deixasse de lado, por um momento, a preocupação com o conteúdo explicativo e o que indicaria tais categorias distintivas para então centrar atenção no funcionamento que rege, justamente, sua produção e operacionalização discursiva? É com base nesse redirecionamento que o autor se debruça sobre como são manipulados e em quais instâncias são acionados esses e outros conceitos, esquemas de análise ou categorias vindas do senso comum, utilizados para demarcar e interpretar diferenças e proximidades entre pesquisadores e especialistas cujos trabalhos versam sobre conflitos em áreas protegidas. Se há, de fato, posições bem definidas e não negociáveis, como a base em que elas se fundam e o contexto em que são expostas, não é algo tão pré-determinado, ao se pronunciar é-se levado a 'ler' com cuidado a situação em que se está colocado ou então definir de antemão com quem se deseja dialogar/confrontar, para então mobilizar argumentos específicos e ocultar outros. Será através do domínio relativo destes diferentes contextos, da maior ou menor habilidade de por eles transitar e da capacidade de acionar, relativizar ou reafirmar um dado conceito, informação, conteúdo, argumento, justificativa que se constrói o cotidiano nativo (do qual, por sinal, o autor também participa) marcado pelo dito e contradito, espécie de cimento/combustível a mobilizar uma comunidade com interesses controversos.

Características

Peso 0.39 Kg
Produto sob encomenda Não
Editora Appris
I.S.B.N. 9788547301057
Altura 23.00 cm
Largura 17.00 cm
Profundidade 3.00 cm
Número de Páginas 365
Idioma Português
Acabamento Brochura
Cód. Barras 9788547301057
Número da edição 1
Ano da edição 2016
AutorGerhardt,Cleyton Henrique