Artboard 33atençãoArtboard 18atualizarconectividadeArtboard 42boletocarrinhocartãoArtboard 45cartão SaraivacelularArtboard 42Artboard 23checkArtboard 28Artboard 17?compararcompartilharcompartilhar ativoArtboard 28Artboard 43Artboard 49Artboard 47Artboard 15Artboard 32ebookArtboard 22Artboard 5Artboard 25Artboard 1Artboard 42Artboard 11fecharfilmesArtboard 23gamesArtboard 4Artboard 9Artboard 6hqimportadosinformáticaArtboard 7Artboard 3Artboard 12Artboard 25Artboard 34Artboard 43Artboard 44curtirArtboard 24Artboard 13livrosArtboard 24Artboard 31menumúsicaArtboard 27Artboard 30Artboard 36Artboard 44outrospapelariaArtboard 17Artboard 6Artboard 27Artboard 30Artboard 29Artboard 26Artboard 2Artboard 20Artboard 35estrelaestrela ativorelógiobuscaArtboard 50Artboard 26toda saraivaArtboard 40Artboard 21Artboard 10Artboard 37usuárioArtboard 46Artboard 33Artboard 8seta

Febre do Panamá - Nova Ortografia (Cód: 3825281)

Parker,Matthew

Record

Vendido e entregue por Saraiva

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 74,90

em até 2x de R$ 37,45 sem juros
Cartão Saraiva: 1x de R$ 71,16 (-5%)

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 2x sem juros de


Febre do Panamá - Nova Ortografia

R$74,90

Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X
Formas de envio Custo Entrega estimada

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 15:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

Aclamada pela crítica estrangeira, esta meticulosa e extraordinária obra do escritor Matthew Parker — apontada pelo jornal britânico Daily Telegraph como forte candidato a todos os prêmios de não ficção —, conta de forma singular e impressionante a história de uma dos mais monumentais realizações do homem em todos os tempos — o Canal do Panamá.Em 1513, o conquistador espanhol Vasco Núñez de Balboa se tornaria o primeiro europeu a avistar o maior oceano do planeta e constatar que apenas uma estreita faixa de terra o separava do já cruzado — e razoavelmente conhecido — Atlântico. Era o início de um sonho que inflamaria monarcas, presidentes, homens de negócios e exploradores: encontrar uma hidrovia entre o Atlântico e o Pacífico. Quem a descobrisse estaria na vanguarda do comércio global e influenciaria o futuro de várias nações. Mas o que viria a ser considerada uma das artérias-chave do comércio mundial não estava nos planos da natureza. Cabia ao homem abrir o caminho, em um projeto iniciado pelos franceses, em 1880, e finalizado pelos EUA, em 1914. Obra tão ambiciosa quanto a construção das pirâmides: entre as duas colossais massas de água, montanhas, florestas e pântanos. As condições climáticas eram o pesadelo de qualquer engenheiro — oito meses por ano as chuvas caíam sem parar, tornando o istmo um dos lugares mais úmidos do planeta. Um verdadeiro inferno tropical, afetado, ainda, pela instabilidade política, a malária e a febre amarela.Milhares de homens trabalharam sob chuvas torrenciais e calor escaldante para quebrar a espinha rochosa que liga as Américas, muitas vezes sucumbindo às condições adversas de trabalho e clima, e aos males dos trópicos. Décadas mais tarde, com um saldo de 25 mil vidas perdidas — cerca de quinhentos homens mortos para cada 620 metros escavados — e várias outras irremediavelmente marcadas por mutilações e doenças, a primeira embarcação cruzaria o Canal do Panamá. Desde então, mais de um milhão de navios fizeram o mesmo, em uma média de 14 mil por ano. Apesar do aumento no tamanho das embarcações, 5% de todo o comércio marítimo mundial — e 12% dos navios norte-americanos — ainda passa por suas eclusas. Febre do Panamá é o relato minucioso dessa empreitada épica. Matthew Parker analisa não apenas o incrível feito de engenharia, mas as realizações financeiras, técnicas e até mesmo médicas que o tornaram possível. Disseca a assombrosa ambição por trás de todas elas, em um detalhado estudo da miríade de pessoas e planos associados ao trabalho, e captura a angústia dos envolvidos nessa tarefa. Descreve claramente o alto preço pago com vidas e os jogos diplomáticos para determinar o caminho e localização do canal. Trata, também, dos inimigos que a empreitada colecionou, abordando os interesses velados que temiam a mudança da geografia mundial.Parker revela, ainda, onde os franceses erraram e por que os americanos foram bem-sucedidos. E explica como a abertura do canal quase simultânea ao mergulho do Velho Mundo em um conflito mundial catapultou os Estados Unidos a uma posição de comando universal. Repleto de confidências, cartas, diários e memórias, mostra como uma pequena faixa de terra na América Central fez do mundo um lugar.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Record
Cód. Barras 9788501084330
Altura 23.00 cm
I.S.B.N. 9788501084330
Profundidade 3.40 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 2
Ano da edição 2011
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 602
Peso 0.80 Kg
Largura 16.00 cm
AutorParker,Matthew