Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8

Meu Pai Fala Cada Uma – Um Retrato Hilário e Verdadeiro da Relação Pai e Filho (Cód: 4264732)

Halpern, Justin

Sextante / Gmt

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 29,90

em até 1x de R$ 29,90 sem juros
Cartão Saraiva: 1x de R$ 28,41 (-5%)

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Origem

R$ 49,90

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Meu Pai Fala Cada Uma – Um Retrato Hilário e Verdadeiro da Relação Pai e Filho

R$29,90

Descrição

Aos 28 anos, depois de ser dispensado pela namorada, Justin Halpern volta a morar com o pai, Sam Halpern, de 73 anos. Na infância, Justin morria de medo dele, tão mal-humorado, direto e desbocado que beirava a grossura. Já adulto, ele passa a admirar a mistura de franqueza e insanidade que caracteriza os comentários e a personalidade do pai, que considera “sábio como Sócrates e até mesmo profético”.
Disposto a registrar a sabedoria contida nas tiradas de Sam, Justin cria uma página no Twitter para reunir suas frases malucas e observações ridículas. Em pouco tempo, os devaneios filosóficos do médico aposentado conquistam mais de um milhão de seguidores.
O fenômeno da internet dá origem a um dos livros mais engraçados dos últimos tempos. Tomando como base as pérolas do pai, o filho recria suas memórias da infância e da juventude.Extremamente divertido e inspirador, Meu pai fala cada uma traça um retrato profundo da relação pai e filho e aborda os grandes temas da vida: medo, amigos, estudo, namoro, esporte, família. Uma lição de integridade, amizade e amor. Sem papas na língua.

Características

Peso 0.18 Kg
Produto sob encomenda Sim
Editora Sextante / Gmt
I.S.B.N. 9788575428641
Altura 21.00 cm
Largura 14.00 cm
Profundidade 1.00 cm
Número de Páginas 144
Idioma Português
Acabamento Brochura
Tradutor Marcello Lino
Cód. Barras 9788575428641
Número da edição 1
Ano da edição 2012
AutorHalpern, Justin

Leia um trecho

Introdução “Tudo o que peço é que cate suas tralhas e não deixe seu quarto parecendo que foi usado para uma suruba. Aliás, é uma pena você ter levado um pé na bunda da sua namorada.”Aos 28 anos, eu morava em Los Angeles e estava no terceiro ano de um relacionamento à distância com minha namorada, que vivia em San Diego. Na maioria das sextas-feiras, eu encarava um engarrafamento de três horas e meia enquanto meu Ford Ranger 1999 se arrastava por 200 quilômetros até San Diego. De vez em quando, meu carro decidia parar de funcionar. Além disso, o rádio estava quebrado e eu só conseguia ouvir uma estação cuja programação parecia se limitar a canções do brilhante rapper Flo Rida. Não há nada como pegar a estrada e, de repente, o motor do seu carro morrer, a direção travar e um DJ gritar no seu ouvido: “E aqui está O CARA, Flo Rida, com seu novo sucesso ‘Right Round’! Vamos começar  a festa!” Resumindo: a distância estava pesando para mim. Então, em maio de 2009, quando recebi uma oferta de emprego do site Maxim.com que me permitiria trabalhar em qualquer lugar, não deixei a oportunidade passar. Eu poderia me mudar para San Diego e morar com minha namorada. A única falha no meu plano era que ela não estava tão empolgada quanto eu. E com “não estava tão empolgada” quero dizer que, quando apareci na porta da sua casa para dar a boa notícia pessoalmente, ela terminou comigo. Ao ir embora, percebi que, além de estar solteiro, eu não tinha onde morar, pois já havia comunicado ao meu senhorio em Los Angeles que entregaria o apartamento no final do mês. Então, meu carro morreu. Enquanto tentava vigorosamente dar a partida, me dei conta de que as únicas pessoas que eu conhecia em San Diego e que talvez pudessem me acolher eram meus pais. Comecei a sentir um aperto no estômago enquanto virava sem parar a chave na ignição. Também caiu a ficha de que a família que fazia um churrasco no jardim da casa em frente ao local onde meu carro tinha pifado talvez estivesse pensando que eu era um pervertido que havia parado para obter um momento de prazer solitário. Por sorte, consegui dar a partida no carro e arranquei rumo à casa dos meus pais. O motivo do meu súbito nervosismo era que pedir um favor ao meu pai se assemelha a defender uma causa perante o Supremo Tribunal. Você precisa expor os fatos com clareza, fazer sua argumentação e citar precedentes de outros casos. Logo depois de aparecer sem avisar na modesta casa de três quartos em Point Loma, nos arredores de San Diego, eu estava apresentando meu caso diante dos meus pais na sala de estar. Citei Meu Pai versus Meu Irmão Daniel Halpern, que, aos 29 anos, durante uma “fase de transição”, foi morar na casa deles. No meio da minha argumentação, meu pai me interrompeu: – Tudo bem. Caramba, você não precisava contar toda essa ladainha. Você sabe que pode ficar aqui. Tudo o que peço é que cate suas tralhas e não deixe seu quarto parecendo que foi usado para uma suruba. – Ele fez uma pequena pausa e completou: – Aliás, é uma pena você ter levado um pé na bunda da sua namorada. A última vez que eu havia morado com meus pais tinha sido uma década atrás, durante meu segundo ano na Universidade de San Diego. Na época, os dois trabalhavam (minha mãe era advogada de uma organização sem fins lucrativos e meu pai lecionava medicina nuclear na Universidade da Califórnia em San Diego), portanto eu não os via com muita frequência. Dez anos depois, minha mãe continuava trabalhando em tempo integral, mas meu pai, aos 73 anos, havia se aposentado e ficava em casa. O dia inteiro. Após a primeira noite na casa deles, me arrastei para fora da cama às oito e meia da manhã e montei meu “escritório” (leia-se: meu laptop) na sala de estar, onde meu pai assistia à TV, para começar a escrever minha primeira coluna. Michael Jackson tinha acabado de morrer e eu estava trabalhando num esquete em que Jesus, por ser um grande fã do Rei do Pop, fazia vista grossa para as acusações de pedofilia contra o cantor e o deixava entrar no Paraíso assim mesmo. (Mais tarde, meu editor assinalou que era São Pedro que deveria receber M.J. nos portões do Paraíso, mas isso não importa.) Meu pai não conseguia entender que alguém de pijama, pesquisando no Google imagens tolas de Jesus Cristo, pudesse estar trabalhando. Então, me tratou como se eu não estivesse fazendo nada de importante. – Por que diabo Wolf Blitzer está falando de Michael Jackson? – resmungou ele, ao ver o principal âncora de política da CNN noticiar a morte do astro pop. – O presidente está na Rússia tentando fazer com que aqueles filhos da puta parem de fabricar armas nucleares e ele só fica falando de Michael Jackson? Vá se foder, Wolf Blitzer! De vez em quando, ao longo do dia, meu pai se inflamava por algum motivo, adentrava a sala, vindo da cozinha, do quintal ou de onde estivesse, e gritava algo do tipo: – Você está pondo ketchup no hambúrguer que eu preparei? – Sim, por quê? – Por quê? Como assim, por quê? Este é um hambúrguer gourmet. Não é uma dessas gororobas que você cozinha. Gastei meu tempo fazendo isso. Da próxima vez, vou preparar qualquer merda para você. Como era bom estar em casa!