Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8

Não - Violência na Educação (Cód: 1974378)

Muller,Jean-marie

Palas Athena

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 39,00
Cartão Saraiva R$ 37,05 (-5%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Não - Violência na Educação

R$39,00

Quer comprar em uma loja física? Veja a disponibilidade deste produto

Entregas internacionais: Consulte prazos e valores de entrega para regiões fora do Brasil na página do Carrinho.

ou receba na loja com frete grátis

X
Formas de envio Custo Entrega estimada

* Válido para compras efetuadas em dias úteis até às 15:00, horário de Brasília, com cartão de crédito e aprovadas na primeira tentativa.

X Consulte as lojas participantes

Saraiva MegaStore Shopping Eldorado Av. Rebouças, 3970 - 1º piso - Pinheiros CEP: 05402-600 - São Paulo - SP

Descrição

O livro faz parte das iniciativas promovidas para a Década Internacional para uma Cultura de Paz e Não-Violência para as Crianças no Mundo (2001-2010) e foi originalmente publicado pela Unesco. Nele Jean-Marie Muller, filósofo francês autor de mais de trinta livros, fundador e diretor do Instituto de Pesquisas sobre a Resolução Não-Violenta de Conflitos, sugere uma abordagem muito prática de como resolver os confrontos violentos nas escolas.

Diz ele que a cultura da violência já está instalada em nossas sociedades e é diariamente reforçada por todos os meios de comunicação. Quando uma criança toma o brinquedo de outra, nossa sociedade vê como perfeitamente natural que a segunda avance e o arranque de volta. Ou tome outro brinquedo em retaliação, ou ainda que bata no colega. No entanto, como bem aponta o autor, a contra-violência gera apenas mais violência: a primeira criança vai sentir-se agredida e também ela retribuir, levando a uma possível escalada de violências que não beneficia nenhum dos participantes e pode até causar a destruição do brinquedo originalmente disputado. Já a não-violência é vista como algo utópico, contrário até à natureza humana agressiva e competitiva.

No curto volume carregado de conceitos diretos e aplicáveis, o professor Muller define violência não como agressividade, esta sim natural da nossa espécie, mas como a ameaça à vida ou à integridade do outro. A violência é um desrespeito básico pelo humano no outro, que o torna uma coisa a ser usada ou explorada ou destruída.

A não-violência, ele também insiste em dizer, não é fácil nem brota espontaneamente, mas é sempre uma escolha possível para quem é humano. Ela consiste não em evitar conflitos, também inevitáveis quando há convivência entre quaisquer pessoas com interesses diferentes, mas em resolver esses conflitos de uma forma pacífica. Através do diálogo, do recurso à justiça, da mediação. A não-violência pressupõe que todos os outros são tão humanos quanto nós e que portanto as únicas medidas aceitáveis são aquelas que nós consideraríamos justas se também fossem aplicadas em nós.

O garoto que teve seu brinquedo arrancado de suas mãos (e achou isso injusto) precisaria assim não fazer a mesma coisa (outra injustiça) mas conversar com o colega, negociar a troca de brinquedos ou talvez recorrer a uma instância de justiça (um professor-mediador). Diz o professor Muller e concordam os professores das escolas do projeto Educadores da Paz do Espaço Interação, uma instituição voltada para a não-violência na escola, que mesmo crianças muito pequenas conseguem compreender a lógica de não faça ao outro o que não quer que o outro faça a você. E que adolescentes também são capazes de entender e adotar um sistema de convivência norteado dessa maneira - se perceberem que a regra vale para todos, inclusive professores e administradores.

As sugestões do autor incluem idéias contrárias à corrente comum, como por exemplo o repúdio à democracia quando esta for uma fachada apoiada numa ditadura da maioria e não resultado de uma discussão em foro público. E que a escola não é uma democracia, mas uma sociedade em que há uma autoridade estabelecida, que precisa ser exibida como exemplo e jamais imposta.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Palas Athena
Cód. Barras 9788572420617
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788572420617
Profundidade 0.70 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2006
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 108
Peso 0.44 Kg
Largura 14.00 cm
AutorMuller,Jean-marie

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: Não - Violência na Educação