Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
Promoção Visa Checkout
e-book

O Homem Doente do Homem e a Transfiguração da Dor (Cód: 9358704)

Fogel, Gilvan

Editora Mauad (Livros Digitais)

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 24,70 R$ 17,29 (-30%)
Cartão Saraiva R$ 17,29

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


O Homem Doente do Homem e a Transfiguração da Dor

R$17,29

Descrição

Para além de todo pateticismo e de todo sentimentalismo, vida, existência, é dor. A dor, da qual aqui se fala, pelo menos de imediato, não é a dor de dentes, a do cálculo renal ou a da topada no pé da cama. Antes, é a dor que o homem é, à medida que ele é necessidade de ação, de atividade; a necessidade de fazer-se ou autofazer-se e, assim, cumprir-se como tempo e história. É assim que o homem vem a ser o que ele é, a saber, homem. Dor, então, assim, é o nome de vida, da existência finita. A vida que se fizer insurgida, rebelada contra esta condição ou situação humana de limite, de finitude, se faz doente, enferma. À medida que uma tal revolta se torna doutrina (p.ex., um humanismo) de promoção deste homem revoltado, então, este homem deste humanismo está doente dele mesmo, doente do próprio homem. Evidencia-se que a dor maior, antes, a doença maior, é a revolta contra a dor que o homem é, que a vida finita é. E a vida ascendente, a vida criadora, acontece quando a dor própria ou constitutiva do homem, assumida ou aquiescida, se transforma em ação, em atividade gratuita. Gratuita, inútil e absolutamente necessária (livre!), cujo exemplo maior é a obra de arte. Tem-se a transfiguração da dor na alegria da obra, que é sempre uma bênção, a graça de um riso-soluço. O homem doente do homem e a transfiguração da dor procura percorrer o caminho dessa compreensão, formular e expor um tal percurso ou viagem. Para tanto, inspira-se, em parte, em F. Dostoievski e, de modo mais incisivo, em F. Nietzsche. Esses são pensadores, perscrutadores da dor, da dor-homem, do homem-dor. Homens de solidão. Este livro é também uma homenagem e um tributo a eles. .

Características

Produto sob encomenda Sim
Marca Editora Mauad (Livros Digitais)
Cód. Barras 9788574784397
Acabamento ebook
Início da Venda 19/07/2016
Territorialidade Internacional
Formato Livro Digital Pdf
Gratuito Não
Tamanho do Arquivo 1239
Proteção Drm Sim
Idioma Português
Ano da Publicação 2016
Mês da Publicação JULHO
Peso 0.00 Kg
AutorFogel, Gilvan