Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8

O Japão - Dicionário e Civilização (Cód: 2616264)

Frederic,Louis

Globo Editora

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 149,00 em até 4x de R$ 37,25 sem juros
Cartão Saraiva R$ 141,55 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 7x de R$ 21,29 sem juros

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 4x sem juros de R$ 0,00


O Japão - Dicionário e Civilização

R$149,00

Descrição

No ano do centenário da imigração japonesa para o Brasil, a Editora Globo lança uma obra fundamental sobre essa milenar cultura do Oriente. Trata-se de O Japão: dicionário e civilização, de Louis Frédéric, importante dicionarista francês das culturas orientais.

Originariamente publicado na França, em 1996, pela editora Robert Laffont, não há no Brasil nenhum dicionário tão extenso e completo quanto este, que vem preencher uma grande e grave lacuna. Basta lembrar que o Brasil abriga a maior colônia japonesa do mundo - e que há pelo menos 300 mil brasileiros residindo no Japão.

Esse dicionário, traduzido por uma equipe da Universidade Estadual de Maringá, aborda não apenas a história daquele país, como igualmente oferece uma análise de sua cultura e do que a torna, hoje, tão original em relação a outras realidades históricas.

São 20 mil verbetes, que cobrem campos os mais variados: a arquitetura, a religiosidade, a indústria, o comércio, o cinema, a literatura, a música, as ciências, a sociedade, os esportes, o teatro etc., além de trazerem importante conjunto de biografias de escritores, artistas e políticos centrais na história do Japão. Complementam o dicionário diversos anexos, como um índice temático e uma extensa tabela dos principais caracteres japoneses com seu significado e pronúncia. O dicionário possui, ainda, ilustrações preciosas, como mapas, croquis, desenhos e plantas de edificações.

Encerrando o ano do Japão no Brasil, portanto, as 1.500 páginas desse livro são, sem sombra de dúvida, a maior iniciativa editorial brasileira na área de não-ficção relativa ao 'país do sol nascente'.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Globo Editora
Cód. Barras 9788525046161
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788525046161
Profundidade 1.00 cm
Número da edição 1
Ano da edição 2008
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 1464
Peso 0.44 Kg
Largura 14.00 cm
AutorFrederic,Louis

Leia um trecho

Trechos: ARROZ. O arroz japonês (Oryza sativa, var. glutinosa) sempre foi uma das culturas principais e, desde que seu uso se generalizou entre o povo, na época de Edo, tornou-se um alimento básico. Várias qualidades de arroz são conhecidas; a mais apreciada é a chamada Kôshihikari, proveniente da prefeitura de Niigata. Antigamente cultivada para as classes ricas e nobres, essa variedade tornou-se comum nos dias de hoje. Outros tipos de arroz (cujo gosto provém da consistência dos grãos e de sua facilidade para aglutinação), mais comuns ou importados do exterior, são qualificados de Nishiki. No entanto, a qualidade do arroz também depende da época e da técnica de beneficiamento, de secagem e de estocagem. Se o arroz demorar muito para ser consumido após o beneficiamento, o grão começa a oxidar, absorve menos água no cozimento e o gosto fica alterado. Uma descoberta recente (1992) feita na prefeitura de Okayama, em Soja, indicaria que o arroz já era cultivado na ilha de Kyûshû, no final da época Jomon, a cerca de 1.500 anos antes de nossa era, o que retrocederia sua data de aparecimento em mais de mil anos, pois acredita-se comumente que sua cultura iniciou-se por volta de 300 antes de nossa era, coincidindo com o início da cultura Yayoi. MANGÁ. "Esboços". Nome dado a todos os desenhos cômicos ou caricaturais e, conseqüentemente, às histórias em quadrinhos. A arte do mangá é muito antiga no Japão, visto que havia caricaturas entre os tesouros do Shôsô- in (século VIII). Alguns emakimono, como o Ban Dainagon Ekotoba, também podem ser considerados como mangás, assim como o Shigisan Engi Emaki, o Gaki-zôshi e o Yamai no Sôshi. A tradição perpetuou-se, durante o período de Edo, com os artistas de estampas ukiyoe e atingiu o auge com o Manga de Hokusai. Um dos mais célebres autores modernos de mangá, apelidado "o Walt Disney japonês", é Tezuka Osamu (1926-1989), autor do famoso "Astroboy" (Tetsuwan Atomu), um personagem robô justiceiro que ele criou em 1951. Os japoneses de todas as idades gostam de mangá e de histórias em quadrinhos, que representam cerca de 40% das publicações anuais das editoras, de todos os gêneros. Ver shônen jump, chôjû giga. bibl.: Frederick L. Schodt, Manga and the Japanese Comics, Kôdansha Intern., Tóquio, 1983. * Título de um conjunto de quinze livros de rascunho, Hokusai Manga, publicados de 1814 a 1878 e pertencentes a Hokusai, reunindo milhares de croquis sérios e humorísticos, sobre todos os assuntos. TEMPURA. Fritura de frutos do mar e de legumes envoltos numa massa leve, servida com molho de soja (shoyu) e de rabanete (daikon) ralado. A palavra tempura seria uma alteração da palavra portuguesa tempero, para "cozinha". Essa iguaria teria sido trazida ao Japão pelos missionários portugueses no século XVI. Desde o início do século XIX, tornou-se um dos elementos principais da cozinha japonesa. Vários restaurantes especializaram-se em tempura, fritos na frente do cliente e ao seu gosto. Ver cozinha, refeição.