Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
Promoção Visa Checkout
e-book

O Jornalista, o poeta e o homem (Cód: 9270121)

Waldomiro dos Santos

publique-se!

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 1,00
Cartão Saraiva R$ 1,00

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


O Jornalista, o poeta e o homem

R$1,00

Descrição

Valeu a pena conhece?-lo.
Não e? porque ele terminou sua missão e foi embora deste mundo, em junho de 1990, que interrompemos nossa amizade. Somos amigos leais desde a segunda metade da década de 50, quando trabalhamos juntos na imprensa da oposição.
Waldomiro Santos foi um româtico, definitivamente comprometido com os fracos, por isso esteve sempre por baixo na politica. Amava as coisas simples e desprezadas, o que fez com que a fortuna, a vida inteira, em represália, lhe virasse as costas. Andou por todos os retos e tortuosos caminhos da imprensa goiana durante mais de três décadas, legando aos pósteros muitas licões de trabalho, talento, coragem e, sobretudo, de amor aos fracos, injustiçados e á liberdade.
Boêmio livre das noites, apaixonado pelo ce?u estrelado e a esperança que renascia em cada alvorada, compunha poemas reveis e morreu do coração, alia?s, a única maneira como poderia ter morrido. Seu coracão era muito maior do que o próprio peito, batendo pelos espoliados e aflitos, numa sensibilidade refletida em tudo que escrevia.
Eram os a?rduos tempos da ditadura, de asas negras abertas sobre o jornalista, na caça ás bruxas que lhe tomou o emprego na Universidade Federal de Goia?s, onde dirigira o jornal Quarto Poder, so? recuperado com a Constituicão de 1988.
A histo?ria real daquele regime de exceção, Waldomiro Santos contou com a experiência pro?pria, em vibrantes versos sem rima:
''Mas eles vieram sugar a minha alma, queriam sepulta?-la no bojo das asas côncavas, como a múmia de Ramse?s II,
no fundo escuro da pirâmide, e hoje, definitivamente, eu não quero, eu não posso, eu não devo morrer.”.
Jornalista Jávier Godinho.
Goiânia, janeiro de 2010.

Características

Produto sob encomenda Sim
Marca publique-se!
Cód. Barras 9788582453216
Acabamento ebook
Início da Venda 23/02/2016
Territorialidade Internacional
Formato Livro Digital Epub
Gratuito Não
Proteção Drm Não
Ano da edição 2015
Idioma 333
Código do Formato Epub
Ano da Publicação 116
Peso 0.00 Kg
AutorWaldomiro dos Santos