Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8

O Manto de Penélope (Cód: 111750)

Furtado,J.pinto

Companhia Das Letras

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 62,90 em até 2x de R$ 31,45 sem juros
Cartão Saraiva R$ 59,76 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 3x de R$ 20,97 sem juros

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 2x sem juros de R$ 0,00


O Manto de Penélope

R$62,90

Descrição

Em 1972, Joaquim José da Silva Xavier foi condenado à morte por ter participado da Inconfidência Mineira (1788-9). Com essa punição exemplar , teve início o processo que alçou a figura de Tiradentes à condição de mártir e de herói nacional, e fez a insurreição mineira ser conhecida como embrião dos movimentos de independência, abolição da escravatura e proclamação da República. O sociólogo e historiador João Pinto Furtado mostra que, ao contrário do que se acredita, o alferes estava mais próximo das instituições do Antigo Regime português do que dos ideais do liberalismo, da democracia e da independência. Furtado contesta a visão mítica e heróica criada em torno de Tiradentes e lhe atribuiu contornos mais humanos.
A partir daí a análise dos interesses e das convicções políticas dos expoentes do movimento - alguns deles mineradores e senhores de escravos -, o autor levanta questões a respeito da suposta unidade do movimento. Não teriam surgido discordâncias e conflitos entre conspiradores? A repressão empreendida pelo absolutismo real português teria sido efetivamente o fator decisivo para o seu fracasso?
Assim como Penélope tecia, desmanchava e voltava a tecer seu manto, à espera do retorno de Ulisses, Furtado desfia a história sobre a Inconfidência para distinguir o que é próprio do evento daquilo que foi construído posteriormente, separando o que é memória do que é mito.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Companhia Das Letras
Cód. Barras 9788535902631
Altura 23.00 cm
I.S.B.N. 8535902635
Profundidade 1.80 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2002
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 344
Peso 0.53 Kg
Largura 16.00 cm
AutorFurtado,J.pinto

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: O Manto de Penélope