Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
Livro Digital

O Navio Negreiro (Cód: 5977446)

Alves, Castro

Global Editora (Livros Digitais)

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 10,50
Cartão Saraiva R$ 10,50

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


O Navio Negreiro

R$10,50

Compre junto:

Nome do produto

Descrição

'[...] A 7 de setembro (1868), o poeta incendeia a plateia do Ginásio Literário, ao declamar pela primeira vez ‘O navio negreiro’, escrito em São Paulo e que marca o pináculo de sua inspiração social, realmente 'o maior acontecimento de nossa poesia', no dizer de Grieco.'
Mário Mendes Campos
'Também os primeiros românticos sentiram a antinomia oprimido-opressor: mas nativistamente, idealisticamente, haviam individuado no índio o polo antibranco da realidade sociológica brasileira. Castro Alves desloca o problema e leva para o primeiro plano o verdadeiro escravo do Brasil: um negro desarraigado de seu país e inserido à viva força num contexto paisagístico ao qual permanecerá sempre estranho.'
Luciana Stegagno Picchio
'Castro Alves é um poeta que une visualidade e oralidade. [...] Se observarmos os seus poemas mais conhecidos, como ‘Vozes d'África’ ou ‘O navio negreiro’, vislumbraremos o quanto é possível cada um desses famosos textos ser cadernos de gravuras, em que uma imagem completa a outra, na lógica irrefutável do sonho. [...] Tanto em ‘Vozes d'África’ como em ‘O navio negreiro’, a visão é a de quem contempla do alto, com as asas do futuro, desde os filhos da África, livres, em sua terra, até as cenas da tragédia no mar que os torna escravos sob o açoite.'
Carlos Nejar
'Segundo Afrânio Peixoto, autor da edição mais completa do Poeta, ao livro dos Escravos pertenceriam ‘Vozes d'África’ e ‘O navio negreiro’, os dois poemas em que o Poeta atingiu a maior altura do seu estro.'
Manuel Bandeira
'Em ‘Vozes d'África’ e em ‘O navio negreiro’, a cada instante o pensamento social é soterrado pelo pensamento poético, o fato pela metáfora, o real pelo idealizado. [...] Ele (Castro Alves) compreendeu, ou pelo menos sentiu, o que nenhum contemporâneo (exceto Varela) parecia compreender ou sentir: o que confere a uma obra de arte poder sobre o tempo não é a causa que ela defende, ou o sentido de que se imbui. É sua qualidade.'
Fausto Cunha

Características

Produto sob encomenda Sim
Marca Global Editora (Livros Digitais)
Cód. Barras 9788526019652
Acabamento ebook
Início da Venda 04/11/2013
Territorialidade Brasil
Formato Livro Digital Epub
Gratuito Não
Tamanho do Arquivo 3992
Proteção Drm Sim
Número da edição 1
Ano da edição 2013
Idioma Português
Ano da Publicação 2013
Mês da Publicação NOVEMBRO
VOLUME 1
Peso 0.00 Kg
AutorAlves, Castro

Avaliações

Avaliação geral: 0

Você está revisando: O Navio Negreiro