Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
Promoção Visa Checkout

O Povo de Papel - a Sátira Política Na Literatura de Cordel (Cód: 4060806)

Maya,Ivone da Silva Ramos

Garamond

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 40,00
Cartão Saraiva R$ 38,00 (-5%) em até 1x no cartão ou em até 2x de R$ 20,00 sem juros

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


O Povo de Papel - a Sátira Política Na Literatura de Cordel

R$40,00

Descrição

O poeta paraibano Leandro Gomes de Barros (1865-1918) é considerado o fundador da Literatura de Cordel impressa. Sobre ele, escreveu Carlos Drummond de Andrade: 'Não foi príncipe dos poetas do asfalto, mas foi, no julgamento do povo, rei da poesia do sertão, e do Brasil em estado puro. Leandro foi o grande consolador e animador de seus compatrícios, aos quais servia sonho e sátira, passando em revista acontecimentos fabulosos e cenas do dia-a-dia.'
Este livro – situado na interseção entre Poesia e História – faz uma abordagem original do poeta, associando pela primeira vez a sua obra ao contexto político da Primeira República. Aqui, Ivone Maya demonstra que, através dos poemas, o povo era informado de como funcionava o sistema político da época, e o poeta, utilizando-se frequentemente da paródia, da sátira e da alegoria, apresentava essas questões de maneira a ser facilmente assimiladas e compreendidas por seus leitores. Abordando esta obra multifacética, 'O povo de papel' revisita criticamente um período crucial da nossa história através da poesia de um criador que servia sonho e sátira aos seus compatrícios, como disse o poeta de Itabira.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Garamond
Cód. Barras 9788576172482
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788576172482
Profundidade 1.00 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2012
Idioma Português
Número de Páginas 182
Peso 0.28 Kg
Largura 14.00 cm
AutorMaya,Ivone da Silva Ramos