Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8

Odes do Desespero (Cód: 3054631)

Echaime,Leila

Nankin Editorial

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 30,00
Cartão Saraiva R$ 28,50 (-5%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Odes do Desespero

R$30,00

Descrição

Odes do Desespero Machado de Assis publicou nas Falenas (1870) um longo poema intitulado 'Uma ode de Anacreonte' (quadro antigo) no qual realiza uma retomada paródica e irônica, que conclui, contudo, com um tom desencantado, senão melancólico: não vos maldigo, não; / eu não maldigo o mar / quando a nave soçobra; / o erro é confiar. São versos alexandrinos (de 12 sílabas) construídos rigorosamente, com diálogos e muita experimentação.
Por sua vez, Hilda Hilst, no século xx publica primeiro sua 'Ode Fragmentária' (1961) e mais tarde 'Da Morte: Odes Mínimas' (1980). A retomada da ode pela magnífica escritora jauense se impõe com um discurso também experimental, de versos livres, um laboratório poético intelectual e místico, e a ode quase se transforma em elegia. A experiência de vida tornada aguda consciência da finitude e o tempo esvaziado, mal sobrevivendo na memória fantasmagórica, espécie de espaço cósmico sem estrelas, sem luz e sem calor. Território sombrio da morte, prevista e anunciada, feito expectativa.
Estas Odes do Desespero, de Leila Echaime (poeta de vasta e variada obra), estão no fio da tradição, impregnadas também pelo tom elegíaco e por um impulso vital de busca do que foi perdido no tempo escoado para algum lugar que a existência não revela qual é. Há um enigma subjacente nessas odes, que caberá ao leitor enfrentar: aí estão o amor e a morte, e o desespero da busca, tudo pelo filtro feminino, através do olhar da mulher.

Características

Produto sob encomenda Não
Editora Nankin Editorial
Cód. Barras 9788577510559
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788577510559
Profundidade 1.50 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2010
Idioma Português
Número de Páginas 87
Peso 0.20 Kg
Largura 14.00 cm
AutorEchaime,Leila