Artboard 33Artboard 16Artboard 18Artboard 13Artboard 42Artboard 21Artboard 4Artboard 5Artboard 45Artboard 22Artboard 7Artboard 42Artboard 23Artboard 17?Artboard 28Artboard 43Artboard 49Artboard 47Artboard 15Artboard 32Artboard 6Artboard 22Artboard 5Artboard 25Artboard 1Artboard 42Artboard 11Artboard 41Artboard 11Artboard 23Artboard 10Artboard 4Artboard 9Artboard 6Artboard 8Artboard 7Artboard 3Artboard 12Artboard 25Artboard 34Artboard 43Artboard 44Artboard 16Artboard 24Artboard 13Artboard 5Artboard 24Artboard 31Artboard 1Artboard 12Artboard 27Artboard 30Artboard 36Artboard 44Artboard 9Artboard 17Artboard 6Artboard 27Artboard 30Artboard 29Artboard 26Artboard 2Artboard 20Artboard 35Artboard 15Artboard 14Artboard 50Artboard 26Artboard 14Artboard 40Artboard 21Artboard 10Artboard 37Artboard 46Artboard 33Artboard 8
e-book
  • 1002527912
  • 1005013669

POESIAS, DEVANEIOS E OUTRAS ALUCUNAÇÕES (Cód: 8847551)

Jonas R. Sanches

publique-se!

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 6,99

em até 1x de R$ 6,99 sem juros

Total:

Em até 1x sem juros de


Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total:

Em até 1x sem juros de


POESIAS, DEVANEIOS E OUTRAS ALUCUNAÇÕES

R$6,99

Descrição

O livro de Jonas Rogério Sanches, Poesias, devaneios e outras alucinações, reúne poemas com temas variados e prefaciá-lo foi um convite que muito me encantou. O estilo do autor é vibrante, forte, caracteriza por intertextualidade e metalinguagem. A todo o momento veem-se definições e mais definições de poesia, transportando-nos a uma outra existência, a um mundo além do Eu.

Escrever tornou-se uma tarefa prazerosa para o autor que, faz versos a todo o momento. São poemas provocantes que incitam a curiosidade do leitor e o levam à descontração e ao deleite. Navegando em mares revoltos, nas linhas da poesia do menino-verso, do poeta energético, o olhar se perde, a alma cria laços com o eterno. A alma ensolarada que nasceu com a madrugada, entre antíteses e paradoxos, apresenta-nos a dança da vida. Ouve-se a música do cosmos, as pupilas dilatam-se, nas entranhas do amor que é via incerta.

Poemas gritam no papel-texto. Ora, tais poemas fomentam constantes questionamentos, causam estranhamento como carícias insanas: delícias que brotam, sem malícias e o poeta busca o tempo em outro tempo. Trata-se do Eu para além de suas limitações.

Em busca de uma poesia pura e autêntica, a vida se entrelaça ao amor. Poesia e alegria se enredam e como ondas ferem a praia num vai e vem frenético. O corpo – casa da alma – traz novas inspirações. O olhar esquálido jaz no negrume que restou. Na imensidade das metáforas os poemas fluem e dão origem à poesia de um novo tempo.

Nos versos do poema “A só com a noite” expõe sua paixão: Solitária e nostalgicamente à noite/ adentra meus poros e minhas aspirações/ deixando um vestígio vívido de um poema/ que escorrerá dos dedos pela folha do caderno.

Em “Versos reversos de uma obra” homenageia narcisicamente o próprio trabalho com os versos: De mim, sinceros respeitos/ e meus versos em agradecimento/ pelo translúcido reconhecimento/ do trabalho ávido das minhas mãos.

“Às mães” dedicou versos de um filho apaixonado: O que seriam os filhos sem as mães?/ O que seriam as mães sem os filhos?/ Poeto então às sagradas progenitoras /que parem às dores e às alegrias; / únicas e insubstituíveis melodias/ maternas, são como o lume dos dias... A realidade, os sonhos e os devaneios de como treliça se tecem num labirinto de sentimentos.

Ao se deparar com a crônica “Pipoca” de Rubem Alves não teve dúvidas, os versos saíram automaticamente, de forma impressionante: Não vou ser como os piruás/ que se internam em cascas duras, / vou é mais ser como a pipoca/ que se transforma em flor candura.

Num mundo marcado pela cultura da imagem e pela cultura das comunicações rápidas, expor aos leitores o presente livro é um convite para adentrar no universo do homem que vivia dentro do espelho, do homem que vive em busca de si mesmo, afinal como afirmara Jean-Jacques Rousseau em Os devaneios do caminhante solitário (1782): “o conhecer-te a ti mesmo do Templo de Delfos não era uma máxima tão fácil de ser seguida”. Sendo assim, a presente obra nos conduz à transcendência imagética das palavras e o próprio poeta desenha em nossas mentes o universo de suas poesias. Carregando questionamentos sobre a condição humana, a poesia eleva o homem e o liberta de todas as paixões terrenas. Cabe ao leitor entregar-se aos devaneios do nosso poeta e desfrutar o êxtase de suas poesias eufóricas.

Características

Peso 0.00 Kg
Produto sob encomenda Sim
Marca publique-se!
Idioma 333
Acabamento e-book
Territorialidade Internacional
Formato Livro Digital Pdf
Gratuito Não
Proteção Drm Não
Início da Venda 19/03/2015
Código do Formato Pdf
Cód. Barras 9788591408863
Número da edição 1
Ano da edição 2015
Ano da Publicação 115
AutorJonas R. Sanches