Artboard 33 Artboard 16 Artboard 18 Artboard 15 Artboard 21 Artboard 1 Artboard 2 Artboard 5 Artboard 45 Artboard 45 Artboard 22 Artboard 9 Artboard 23 Artboard 17? Artboard 28 Artboard 43 Artboard 49 Artboard 47 Artboard 38 Artboard 32 Artboard 8 Artboard 22 Artboard 5 Artboard 25 Artboard 1 Artboard 42 Artboard 11 Artboard 41 Artboard 13 Artboard 23 Artboard 10 Artboard 4 Artboard 9 Artboard 20 Artboard 6 Artboard 11 Artboard 7 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 12 Artboard 25 Artboard 34 Artboard 39 Artboard 24 Artboard 13 Artboard 19 Artboard 7 Artboard 24 Artboard 31 Artboard 4 Artboard 14 Artboard 27 Artboard 30 Artboard 36 Artboard 44 Artboard 12 Artboard 17 Artboard 17 Artboard 6 Artboard 27 Artboard 19 Artboard 30 Artboard 29 Artboard 29 Artboard 26 Artboard 18 Artboard 2 Artboard 20 Artboard 35 Artboard 15 Artboard 14 Artboard 48 Artboard 50 Artboard 26 Artboard 16 Artboard 40 Artboard 21 Artboard 29 Artboard 10 Artboard 37 Artboard 3 Artboard 3 Artboard 46 Artboard 8
Promoção Visa Checkout

Porta Giratória (Cód: 1800877)

Quintana, Mário

Globo Editora

Ooopss! Este produto está temporariamente indisponível.
Mas não se preocupe, nós avisamos quando ele chegar.

Ooops! Este produto não está mais a venda.
Mas não se preocupe, temos uma versão atualizada para você.

Ooopss! Este produto está fora de linha, mas temos outras opções para você.
Veja nossas sugestões abaixo!

R$ 26,00
Cartão Saraiva R$ 24,70 (-5%) em até 1x no cartão

Crédito:
Boleto:
Cartão Saraiva:

Total: R$0,00

Em até 1x sem juros de R$ 0,00


Porta Giratória

R$26,00

Descrição

Editado originalmente em 1988, Porta giratória reúne textos publicados por Mario Quintana no jornal Correio do Povo, de Porto Alegre. O próprio poeta chamou esses fragmentos de “crônicas” – uma solução simples que, como costuma acontecer também com sua poesia, escamoteia a variedade que lhe está por trás. Pois o fato é que existe uma indefinição de gênero que ele explora ao alternar comentários e reminiscências com aforismos e poemas breves – estes últimos publicados numa seção do jornal intitulada “Caderno H”.
Quintana é de fato cronista, no sentido consagrado por uma tradição muito brasileira, na qual figuram outros poetas como Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira. Mas também é autor de epigramas que o inscrevem numa linhagem menos freqüente em nossa literatura – e que muitas vezes aparecem plasmados na forma de poemas de apenas uma ou duas linhas, estocadas rápidas de uma inteligência vivaz, que destila a experiência num lampejo.
Não por acaso, num dos textos aqui reunidos ele comenta: “O leitor ideal para o cronista seria aquele a quem bastasse uma frase. Uma frase? Que digo? Uma palavra! O cronista escolheria a palavra do dia: ‘Árvore’, por exemplo, ou ‘Menina’. Escreveria essa palavra bem no meio da página, com espaço em branco para todos os lados, como um campo aberto aos devaneios do leitor”.
E, numa outra crônica, intitulada “Cortar”, faz profissão de fé na concisão : “Cortar, cortar sempre, meu único processo. E qualquer dia destes publico mais uma nova edição de minhas obras com a indicação seguinte: NOVA EDIÇÃO, CORRETA E DIMINUÍDA”.
O tom galhofeiro, portanto, encerra uma poética caracterizada tanto pelo tom desinflado e pela argúcia lingüística quanto por uma disposição de examinar a realidade à volta sob novos ângulos. Como afirma a organizadora das obras de Quintana, Tania Franco Carvalhal, “habituado à escrita rápida, captando a poesia diretamente do cotidiano, ele encontra nos fatos mais simples sentidos inusitados. Seu olhar, ocupado com o lado humano da realidade, extrai seu lado oculto e que não é percebido pelos demais”.
Como se estivesse diante da porta giratória do título, contemplando a fugaz presença das coisas, Quintana faz comentários sobre acontecimentos e personalidades públicos, reflete sobre costumes e temas sérios, inserindo neles uma nota de irreverência com a qual dá uma piscadela para o leitor. Em alguns casos, a anedota nasce de um episódio supostamente autobiográfico – como em “Dos males da erudição”, em que o cronista conta como uma douta citação de Saint-Simon, feita num artigo sobre a morte de Getúlio Vargas, teve por único efeito fazer com que um amigo o procurasse no dia seguinte, cobrando a devolução do livro do pensador francês que havia lhe emprestado...
Essa dimensão comezinha é característica da crônica, em que eventos históricos e fatos graves são vistos em sua faceta apequenada, familiar. O que não cancela, no caso de Quintana, o sentido crítico que a observação das banalidades pode propiciar – como podemos ler em “Passarela”, fragmento de surpreendente atualidade: “Um desfile de manequins, neste nosso desidratado século, lembra-nos graciosas figurilhas feitas com paus de fósforos”.
Em alguns momentos, Quintana adota procedimentos poéticos que desmobilizam os automatismos da língua – como em “Do temor de Deus”, “crônica” que consiste apenas no título e na frase que o rebate: “... mas não é ao Diabo que deveríamos temer?”. Em outros, desconstrói a paradoxal anestesia que nos acomete diante daquilo que escapa ao prosaico – como em “Monotonia”: “O que mais nos aborrece nos grandes circos é o excesso de milagres”.
A simplicidade gaiata das tiradas de Quintana implica um trabalho estilístico realçado pela alternância entre a narração da crônica e a concisão da máxima – trânsito entre formas que é sintetizado num outro fragmento metalingüístico, “Das viagens”: “O encanto das viagens está na própria viagem: a partida e a chegada são meras interrupções num velho sonho atávico de nomadismo. Ou ainda no poema-aforismo”.

Organizadora destacou-se como estudiosa de literatura comparada.
Este volume da “Coleção Mario Quintana” é o último que traz texto de apresentação de Tania Franco Carvalhal, que coordenava a edição das obras completas do poeta. Nascida na cidade de Rio Grande (RS), em 1943, Tania Franco Carvalhal morreu em setembro de 2006, deixando importantíssimo legado para os estudos comparatistas (tendência dentre as mais importantes dos estudos literários): o primeiro congresso da Associação Brasileira de Literatura Comparada (Abralic, instituição que ajudou a fundar) ocorreu em 1988, sob sua presidência; e, ao morrer, ela era presidente da International Comparative Literature Association (ICLA). Estudiosa das obras de Augusto Meyer, Guilhermino César e Mario Quintana, deixou importantes livros e ensaios sobre a cultura e literatura gaúchas.

Características

Produto sob encomenda Sim
Editora Globo Editora
Cód. Barras 9788525043016
Altura 21.00 cm
I.S.B.N. 9788525043016
Profundidade 1.20 cm
Acabamento Brochura
Número da edição 1
Ano da edição 2007
Idioma Português
País de Origem Brasil
Número de Páginas 208
Peso 0.24 Kg
Largura 12.50 cm
AutorQuintana, Mário